PF multa 8 bancos por falhas de segurança

Oito instituições bancárias foram multadas em R$ 2,2 milhões por problemas na segurança em 267 agências e postos de atendimento pela Comissão Consultiva para Assuntos da Segurança Privada (CCASP), grupo coordenado pela Polícia Federal. Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), o valor foi o maior já aplicado nos julgamentos da CCASP e reflete crescente risco a clientes e funcionários. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) atribui a marca ao rigor dos julgamentos, que estaria punindo com a multa máxima, de R$ 21.282, até "erros formais" nos planos de segurança entregues à PF. "Essa afirmação não é verdadeira. A maioria foi penalizada por falta de segurança, e isso tem sido constante", diz o secretário-geral da Contraf, Carlos Cordeiro. O sindicalista ainda acusa as instituições de não cumprirem a legislação e manterem número insuficiente de vigilantes em várias agências. "Para eles, vale a pena. Um vigilante custa R$ 3 mil por mês. Então preferem ficar sujeitos aos R$ 20 mil, porque depois ainda podem recorrer."Pedro Oscar Viotto, diretor setorial de Segurança da Febraban, afirma que quase 60% das multas se referem ao atraso na entrega dos papéis à PF. "E isso não compromete em nada o sistema de segurança, pois ele continua funcionando." As estatísticas, segundo Viotto, mostrariam o compromisso dos bancos com a segurança - no País, houve queda de 1.302 assaltos em 2001 para 674 em 2006, enquanto os investimentos no setor passaram de R$ 3 bilhões em 2003 para R$ 6 bilhões em 2006 e R$ 7 bilhões em 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.