PF ouve treze controladores sobre acidente da Gol

Treze controladores de vôo que trabalhavam no dia 29 de setembro quando ocorreu o acidente entre o Boeing da Gol e o jato Legacy, no qual morreram 154 pessoas, depõem esta segunda-feira, 20, na Polícia Federal (PF), em Brasília. São três controladores da torre de São José dos Campos, de onde o jato decolou, e 10 do Centro Integrado de Defesa e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta 1), de Brasília. A previsão é que os depoimentos se estendam por dois dias. O inquérito da PF tem por objetivo investigar se houve responsabilidade dos controladores no acidente. Os profissionais deveriam ter sido ouvidos em outubro, mas apresentaram atestados médicos e adiaram os depoimentos. Um relatório preliminar do comando da Aeronáutica sobre o acidente, divulgado na última quinta-feira, 16, indica que houve falha de comunicação entre o centro de controle de Brasília e o jato Legacy. De acordo com o coronel Rufino da Silva Ferreira, presidente da comissão de investigação do acidente, os controladores de Brasília tentaram entrar em contato sete vezes com os pilotos do Legacy por cerca de meia hora. E os americanos tentaram falar com a torre 13 vezes até o acidente. No texto, o presidente da comissão, coronel Rufino Ferreira, informou que, por sete minutos, os controladores tiveram certeza de que o Legacy estava na contramão. Mas, não soube explicar porque os controladores não advertiram os pilotos a tempo de impedir a tragédia. Embora tenha evitado falar sobre diálogos com o controle de vôo, Rufino admitiu que os termos usados nas conversas com operadores de São José dos Campos e de Brasília podem ter tido "alguma influência" no fato de o piloto do Legacy ter ignorado o plano de vôo ao se manter durante todo o trajeto a 37 mil pés quando deveria ter baixado para 36 mil em Brasília. Os controladores são ouvidos pelo delegado Ruben José Maleiner, da Coordenação de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos da PF. O delegado titular do inquérito, Renato Sayão, está de licença médica, em decorrência de uma crise de hérnia de disco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.