PF prende 11 policiais em operação contra caça-níqueis no Sul

Operação Oitava Praga é feita no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná contra fabricantes de caça-níqueis

Paulo R. Zulino, do estadao.com.br,

03 de dezembro de 2007 | 10h21

Seis organizações criminosas especializadas na fabricação e distribuição de máquinas caça-níqueis no Sul do País são alvo da Operação Oitava Praga, desencadeada na manhã desta segunda-feira, 3, pela Delegacia de Polícia Federal de Caxias do Sul e pela Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários da Polícia Federal do Rio Grande do Sul. Entre os presos, há oito policiais civis, dois policiais militares e um policial federal aposentado, que serão indiciados por corrupção passiva, violação de sigilo funcional e formação de quadrilha.  Participam da operação 400 policiais federais de todo Brasil, divididos em 74 equipes, para cumprir mandados de prisão e busca e apreensão nas cidades gaúchas de Porto Alegre, Alvorada, Bento Gonçalves, Canoas, Carlos Barbosa, Caxias do Sul, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Pelotas, São Leopoldo, Taquara e Uruguaiana. Os agentes também cumprem mandados na cidade de Florianópolis, em Santa Catarina, e em Curitiba, no Paraná. Os criminosos serão conduzidos à Delegacia de Caxias do Sul, que coordena a operação, inclusive os que forem presos em Santa Catarina e no Paraná. Eles serão transportados em um avião da Polícia Federal.  Os membros das organizações criminosas serão indiciados por contrabando e descaminho, corrupção ativa e passiva, prevaricação, violação de sigilo funcional, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e, em alguns casos, evasão de divisas. O nome da operação foi escolhido em alusão à história bíblica das pragas do Egito. A oitava praga foi a dos gafanhotos, que invadiram o Egito devorando toda folha verde que viam pela frente, assim como as máquinas caça-níqueis, que, figurativamente, "comem" dinheiro dos apostadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.