PF prende 12 por tráfico de mulheres

Quadrilha mandava prostitutas a cassinos e hotéis de Las Vesgas

José Dacauaziliquá, O Estadao de S.Paulo

01 Agosto 2009 | 00h00

Nove brasileiros e três americanos acusados de integrar uma quadrilha especializada em prostituição nacional e internacional de luxo foram presas ontem pela Polícia Federal. O grupo chegava a mandar cerca de 200 mulheres por ano para o Estados Unidos e Europa. Algumas delas eram trabalhavam em cassinos, hotéis e boates de Las Vegas. Segundo o superintendente da Polícia Federal de São Paulo, Leandro Daiello Coimbra, as garotas de programa chegavam a receber U$ 40 mil (cerca de R$ 80 mil por mês). "Esse valor não ficava integralmente com a mulher. Ela recebia uma porcentagem referente a esse dinheiro. Porque na quadrilha existiam os aliciadores e os exploradores de mulheres", disse Coimbra. As mulheres eram procuradas por integrantes da quadrilha em seis Estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Bahia. A Operação Harém teve início há seis meses, por meio de agente federais do Espírito Santo. Durante as investigações, os policiais descobriram que a base da quadrilha estava em São Paulo. A operação contou com integrantes da Agência de Imigração Americana (ICE), da Defense Security Service e da Interpol, além de policiais da República Dominicana e dos Estados Unidos. "Integrantes da quadrilha no Brasil cuidavam de procurar e aliciar as mulheres. A maioria delas sabia que iriam trabalhar como prostitutas. E o restante já se prostituía no País", disse Coimbra. As mulheres seguiam para o exterior, onde eram exploradas por integrantes de outra parte da quadrilha. Quinze mandados de prisão e dez de busca e apreensão foram expedidos para serem cumpridos em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Las Vegas (USA), Paris (França) e Santo Domingo e Punta Cana (República Dominicana). Seis pessoas foram detidas em São Paulo - entre elas um americano -, três no Rio de Janeiro e uma em Curitiba. Os outros dois americanos foram presos nos Estados Unidos. Há três mandados de prisão em aberto: dois na República Dominicana e um na França. Foram apreendidos computadores, books, revistas e mídias. Dez contas correntes de integrantes da quadrilha foram bloqueadas pela Justiça brasileira. ONU Em fevereiro, uma pesquisa inédita da Organização das Nações Unidas mostrou que a maioria dos crimes de tráfico de pessoas está ligada à exploração sexual e as mulheres são as principais vítimas, conforme Escritório sobre Drogas e Crimes (UNODC, na sigla em inglês). Com base em informações de 155 países, incluindo o Brasil, o relatório foi o primeiro documento a radiografar o tráfico de pessoas depois da assinatura, em 2003, de protocolo da ONU que torna crime a prática. De acordo com o levantamento, 79% dos crimes ligados a sequestro são de exploração sexual e a maior parte é cometida contra mulheres. Cerca de 20% das vítimas são menores de 18 anos e a maioria já é explorada no próprio país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.