PF prende 21 de grupo de extermínio

Ex-chefe da PM foi detido; bando é acusado de 272 mortes só este ano

Carmen Pompeu, FORTALEZA, O Estadao de S.Paulo

09 de novembro de 2007 | 00h00

A Polícia Federal prendeu ontem em Fortaleza 21 pessoas acusadas de integrar uma quadrilha envolvida em crimes de homicídio com características de "pistolagem". Entre os presos estão dez policiais militares; o ex-comandante de policiamento de Fortaleza, coronel da Polícia Militar Carlos Alberto Serra; empresários; seguranças e um funcionário do Fórum Clóvis Beviláqua. De acordo com o secretário de Segurança, Roberto Monteiro, o grupo é apontado como responsável pelo assassinato de 272 pessoas só neste ano. A operação, denominada Cia. do Extermínio, contou com 155 agentes e delegados, que agiram em conjunto com o Grupo de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Estadual e da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará. Segundo as investigações, a quadrilha agia havia quatro anos.Um dos crimes que está sendo investigado pelo Ministério Público ocorreu em 28 de setembro, quando o preso Rogério Candeias da Silva, que estava sendo levado ao hospital por policiais do Serviço Reservado, foi executado por dez homens encapuzados. O MP apura o suposto envolvimento de Serra nesse caso. O coronel foi exonerado do cargo de comandante do policiamento da capital após defender, em entrevistas, uma desastrada operação que deixou feridos turistas que estavam em uma Hilux, em setembro. O carro dos turistas foi metralhado por policiais. O espanhol Marcelino Ruiz ficou paraplégico. De acordo com a PF, a operação, além de ter o objetivo de prender os integrantes do grupo, busca provas que reforcem a materialidade dos crimes praticados pelos acusados e também a identificação de outras possíveis vítimas. Todos os detidos tiveram prisão temporária decretada pela Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.