PF prende 22 em ação contra cartel na venda de combustíveis

A ação pretende cumprir mandados de prisão temporária e 42 de busca e apreensão em Minas Gerais e Rio

Elvis Pereira, estadao.com.br

03 de julho de 2008 | 09h44

A Polícia Federal (PF) prendeu 22 pessoas na Operação Mão Invisível, efetuada nesta quinta-feira, 3, em sete cidades de Minas Gerais e Rio Janeiro. O objetivo da ação era desarticular um cartel formado para a distribuição e comércio de combustível, e não um esquema de adulteração, como havia sido anunciado inicialmente. Foram cumpridos mandados de prisão temporária e 42 de busca e apreensão em casas, escritórios, postos de combustíveis, sindicatos e distribuidoras. Segundo a PF, investigações iniciadas em agosto de 2007 revelaram a existência de uma organização criminosa que acertava acordos e ajustes para aumentar o preço do combustível acima do valor de mercado, lesando os consumidores. Além de ser impedidos de atuar em Minas Gerais, os detidos, entre eles empresários, poderão responder por formação e quadrilha e cartel, cujas penas podem atingir 15 anos.  Os presos serão encaminhados à Superintendência da PF em Belo Horizonte (MG), onde ficarão à disposição da Justiça Estadual. A PF informou que se trata da maior operação policial já realizada na América Sul contra esse tipo de crime. Participaram da ação 250 agentes da PF e membros do Ministério Público e das Secretarias de Acompanhamento Econômico e de Direito Econômico de Minas Gerais.  Atualizada às 14h25

Tudo o que sabemos sobre:
fraudescombustívelcartelPF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.