PF prende 3 em operação contra rede de pedofilia internacional

Delegado responsável pela operação diz que quadrilha era 'nefasta' e que bebês eram usados nos crimes

Vannildo Mendes, de O Estado de S. Paulo,

20 de dezembro de 2007 | 21h20

Na maior operação contra pedofilia realizada até agora no Brasil, batizada de Carrossel, a Polícia Federal cumpriu 102 mandados de busca e apreensão em 14 Estados e no Distrito Federal. Três pessoas foram presas, sendo duas em São Paulo e uma em Fortaleza, no Ceará. Foram recolhidos computadores, CDs, fotos, vídeos e outras mídias em endereços residenciais, escritórios e empresas de suspeitos de crimes sexuais contra crianças.   Senador consegue assinaturas para abrir CPI da Pedofilia  A PF detectou cerca de 3.800 acessos ao material pornográfico infantil disponibilizado na internet. A comunidade desbaratada pela PF foi considerada "macabra" pelo delegado Adailton Martins, chefe da Divisão de Combate a Crimes Cibernéticos da PF e encarregado da operação, acessava cenas de todo tipo de ato libidinoso, inclusive sevícias. "Alguns pareciam bebês, é realmente um crime nefasto", disse Martins.  Todo o material apreendido será agora analisado e, com base nele, serão identificados e processados os acusados de pedofilia, que podem pegar de 2 a 4 anos de prisão. Os produtores das mídias e responsáveis por sua difusão, pegarão penas maiores.  Para chegar à rede de pedófilos, a PF considerou um total mínimo de cinco acessos a endereços de pornografia infantil, feitos pelos suspeitos. À exceção dos flagrantes, as prisões só podem ser feitas em um segundo momento, depois da confirmação da autoria.  Pedofilia internacional A comunidade inclui usuários suspeitos de pedofilia de 78 países, cujos governos foram notificados pela Polícia Federal, por intermédio da Interpol. A PF já realizou quatro grandes operações de combate à pedofilia pela Internet, mas esta, além de ser a maior, é a primeira deflagrada por iniciativa brasileira.  Nas outras três - Anjo da Guarda I e II e Azahar - as autoridades brasileiras foram mobilizadas por governos estrangeiros. "Estamos evoluindo tecnologicamente no combate a esse tipo de crime, os pedófilos que se cuidem", avisou Martins.  Cerca de 410 policiais foram mobilizados na operação. Os mandados foram expedidos pela 12ª Vara Federal de Brasília. Segundo Martins, as investigações, iniciadas em agosto último, localizaram fotografias e vídeos com conteúdo pedófilo que estavam sendo disponibilizados para cópia por usuários de programas de troca de arquivos. Os policiais mapearam os endereços das máquinas utilizadas (conhecido como IP - Internet Protocol) para compartilhamento do material pornográfico e identificaram usuários em mais de 78 países.

Tudo o que sabemos sobre:
pedofilia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.