PF prende 41 por tráfico internacional

A Polícia Federal desarticulou ontem uma organização criminosa de tráfico internacional de drogas em larga escala, com forte atuação em cidades do interior de Mato Grosso e ligação com o Primeiro Comando da Capital (PCC). A operação Aracne aconteceu simultaneamente em sete Estados: Mato Grosso, Goiás, São Paulo, Maranhão, Minas Gerais, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal. No total, 41 pessoas foram presas - 25 em Mato Grosso -, entre empresários, fazendeiros e comerciantes, incluindo o homem considerado o líder da organização. Em entrevista coletiva, o superintendente da PF de Cuiabá, Oslaim Campos Santana, disse que o chefe da quadrilha seria um fazendeiro que comprava a droga diretamente dos fornecedores da cidade de San Matias, na Bolívia. Ele era proprietário de quatro fazendas no município de Campo Novo dos Parecis (396 km a noroeste de Cuiabá). A PF acredita que a atividade seja secundária; a principal seria o tráfico de cocaína, que chegava ao País em aeronaves.Quando chegava, a droga era "armazenada" em diversas fazendas localizadas nos municípios de Campo Novo do Parecis (396 km a noroeste de Cuiabá), Tangará da Serra (239 km a médio-norte) e Nova Maringá (400 km a médio norte). Dessas fazendas, a cocaína era redistribuídas em caminhões para cinco núcleos criminosos com atuação nos Estados de Mato Grosso, Goiás, São Paulo, Maranhão, Minas Gerais e no Distrito Federal. Daí, era comercializada. O maior comprador era o Primeiro Comando da Capital (PCC) . A operação foi conduzida por 400 policiais. A Justiça expediu 52 mandados de prisão e 73 de busca e apreensão. A organização, integrada por um número ainda desconhecido de pessoas, fazia a aquisição, distribuição e comercialização de cocaína, além do processamento da pasta, conforme investigações. A organização fazia também lavagem de dinheiro, com a utilização de laranjas para assumir negócios ilegais. Além das prisões, o Juízo da 5ª Vara Federal, Seção Judiciária de Mato Grosso determinou o seqüestro de bens e bloqueio das contas dos envolvidos. Nos últimos noves meses, a Polícia Federal conseguiu bloquear a entrada de 3 toneladas da pasta base que seria destinada à organização. A estimativa é que 15 toneladas da droga tenham entrado no País no período da investigação. A operação Aracne é resultado de investigações realizadas pela Delegacia da PF de Barra do Garças (cidade a 509 km a leste de Cuiabá) e teve início em 2007.

Fátima Lessa, O Estadao de S.Paulo

13 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.