PF prende 44 policiais no PR por contrabando

Delegado associa atentado contra juiz federal às investigações

Evandro Fadel, CURITIBA, O Estadao de S.Paulo

05 de março de 2008 | 00h00

A Polícia Federal e a Secretaria de Segurança Pública do Paraná, em ação conjunta, prenderam ontem 47 pessoas no noroeste do Estado sob acusação de contrabando, facilitação para contrabando, corrupção e formação de quadrilha. Do total de detidos pela operação Força Unida, 35 são policiais militares, 9 são policiais civis e 3 são políticos da região. Outros três mandados de prisão ainda estão para ser cumpridos e, entre os procurados, há mais um PM e um empresário, que pode ter fugido para o Paraguai. Os nomes dos presos não foram divulgados.O superintendente da PF no Paraná, Delci Carlos Teixeira, afirmou que a ação deflagrada ontem tem relação direta com o atentado ao juiz federal de Umuarama, Jail Azambuja. Na semana passada, dois homens que estavam em uma motocicleta dispararam vários tiros contra o carro do qual o juiz acabara de descer. Os dois suspeitos e um tenente da PM, considerado o mandante do crime, foram presos no fim de semana. Azambuja e o Ministério Público investigam a atuação de contrabandistas e traficantes na região. "Há um indicativo de que talvez em razão disso houve o atentado, como uma maneira de intimidar", disse Teixeira. No sábado, uma testemunha teria se apresentado espontaneamente à Justiça Federal e, em depoimento de cerca de 10 horas, forneceu informações que confirmaram as suspeitas de crimes de contrabando e formação de quadrilha que são investigados por Azambuja e o MP. Com base nessas pistas, o juiz federal expediu 50 mandados de prisão e 51 mandados de busca e apreensão que, em grande parte, foram cumpridos ontem na ação da PF e da Secretaria de Segurança Pública. Durante as buscas, em uma revenda de veículos em Umuarama, os policiais encontraram cerca de 60 carros de luxo, que teriam sido adquiridos com dinheiro sujo da quadrilha. Um delegado da PF ficou responsável pelo inquérito, que será enviado à Justiça Federal em Maringá.O secretário de Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari, disponibilizou 120 policiais militares e civis para ajudar 46 federais na operação. "A proposta do governo e da secretaria é combater a corrupção interna", disse. As prisões ocorreram em Umuarama, Icaraíma, Iporã, Cianorte, Ivaté e Cruzeiro do Oeste. Em Ivaté e Cruzeiro do Oeste, a PF prendeu dois vereadores e, em Alto Paraíso, o vice-prefeito. A PF informou que, somente após os depoimentos, será possível identificar a participação dos presos no bando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.