PF prende 50 policiais suspeitos de integrarem grupos de extermínio em PB

Um total de 400 policiais estão envolvidos na Operação Squadre, que vai cumprir 45 mandados de prisão na capital João Pessoa e em outras duas cidades do Estado

Janaína Araújo, Especial para o Estado, JOÃO PESSOA ,

09 Novembro 2012 | 12h56

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta, 9, a Operação Squadre, na região metropolitana de João Pessoa e em duas outras cidades de Pernambuco, para prender policiais militares e civis suspeitos de integrarem grupos de extermínio, segurança privada clandestina e extorsão de traficantes. Um total de 400 policiais federais estão envolvidos para cumprir 45 mandados de prisão. As investigações começaram há ano.

 

Até às 11h (horário de Brasília), 50 pessoas foram presas entre elas, dois agentes penitenciários, dois delegados, um funcionário do Detran-PB, um tenente-coronel e um major,  além de policiais civis e militares. Os mandados de prisão são cumpridos em João Pessoa, Bayeux, Cabedelo, Santa Rita, Alhandra, Mari, Cajazeiras, na Paraíba, e Recife e Petrolina (PE).

 

De acordo com a PF, entre os presos na ação estão integrantes de três milícias diferentes.  A primeira é de PMs e civis, um agente penitenciário e particulares, que atuavam para executar presos e ex-presidiários. A segunda é comandada por oficiais da Polícia Militar que usam uma empresa em nome de laranjas para fazer  segurança privada clandestina, venda de armas e munições.  O terceiro grupo formado por policiais civis e militares e um agente penitenciário extorquia traficantes de drogas, assaltantes de banco e criminosos.

 

A investigação tem apoio do Ministério Público Estadual e da Secretaria de Segurança e Defesa Social da Paraíba e a execução contou com a participação do Comando de Operações Táticas da Polícia Federal (COT) e dos Grupos de Pronta Intervenção da Polícia Federal (GPIs) de vários estados. Segundo a PF, as provas obtidas no curso das investigações devem ajudar na elucidação de vários homicídios praticados no Estado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.