Divulgação PF
Divulgação PF

PF prende 60 em 3 operações contra tráfico de drogas, roubos, sequestro e homicídio em todo o País

Diversos mandados já foram cumpridos durante a manhã desta terça-feira

Solange Spigliatti, do estadão.com.br,

25 Outubro 2011 | 09h50

SÃO PAULO - A Polícia Federal está realizando por todo o País diversas operações durante a manhã desta terça-feira, 25.

Operação Vezeiro

Ao menos 15 pessoas foram presas nesta manhã de terça-feira, 25, durante a operação Vezeiro, da Polícia Federal, com o objetivo de reprimir o tráfico de entorpecentes em Jaguarão e região, no Rio Grande do Sul.

Estão sendo cumpridos 40 mandados de Busca e de Prisão (33 preventivas e sete temporárias) e dois mandados de busca e apreensão de menores. Serão 23 prisões em Jaguarão, 10 prisões em Rio Grande e uma prisão em Pelotas.

Segundo a PF, durante as investigações foi constatado que um grupo de criminosos da cidade de Rio Grande se instalou nesta fronteira, passando a dominar o comércio de entorpecentes em Jaguarão.

Desde o início da operação, em fevereiro, foram realizadas 15 prisões em flagrante e apreendidos aproximadamente 42 kg maconha,1 kg de crack e 60 gramas de cocaína. Foram encontrados também indícios de envolvimento de membros da quadrilha com homicídios ocorridos em Jaguarão, bem como com roubos e furtos nesta localidade.

A Operação Vezeiro faz parte da Operação Sentinela, que tem como objetivo de intensificar o controle, fiscalização e inteligência policial na faixa de fronteira do Brasil com países vizinhos, além de prevenir e reprimir crimes transnacionais, como contrabando, descaminho, tráfico internacional de drogas, armas e munições.

Operação Cairuçu

Cinco pessoas foram presas durante a Operação Cairuçu, da Polícia Federal, deflagrada hoje, em três estados. Outros três mandados de prisão foram cumpridos contra envolvidos já presos, segundo a PF.

A Operação Cairuçu tem o objetivo de combater o tráfico de drogas em três Estados do país. Já foram aprendidas algumas quantidades de drogas. Os policiais federais estão cumprindo 12 mandados de prisão, 19 de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Operação Mercúrio

Quarenta pessoas consideradas de alta periculosidade já foram presas acusadas de integrar uma quadrilha dedicada a diversos crimes violentos, como roubo, sequestro e homicídios, em três estados do país. Já foram apreendidos armas, entre fuzis e pistolas, grande quantidade de munição, coletes balísticos e rádio transmissores usados pelos bandidos.

Os cerca de 300 policiais federais que deflagraram a Operação Mercúrio estão cumprindo 39 mandados de prisão (18 de prisão preventiva e 21 de prisão temporária) e 50 mandados para busca e apreensão nos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Segundo a PF, investigações identificaram 53 criminosos, organizados em uma quadrilha que cometeu 15 roubos de terminais de autoatendimento dos bancos Caixa, Santander, Sicredi e Itaú, nos Estados do Paraná e Santa Catarina, além de envolvimento direto no sequestro de funcionários e roubo de R$ 1 milhão de do banco Continental, no Paraguai (Salto del Guairá), em maio deste ano. A maioria dos terminais roubados situava-se em terminais de ônibus de Curitiba, com prejuízo da Caixa Econômica Federal na ordem de R$ 2 milhões.

Além das ações violentas contra bancos, a quadrilha ainda roubava veículos em Curitiba e região metropolitana, além de Joinville, os quais eram clonados e utilizados para transporte dos criminosos, bem como assaltavam residências em Curitiba. Atualmente, os criminosos assaltavam ônibus de turismo que passavam por Curitiba em direção a Foz do Iguaçu ou a São Paulo. Após um destes roubos, houve troca de tiros com uma equipe da Polícia Rodoviária Federal, com apreensão de um fuzil e de uma pistola.

No período das investigações, ocorreram outros quatro confrontos com forças policiais, sendo um deles no Paraguai, em junho deste ano, quando a quadrilha se preparava para uma investida contra um banco. Na ocasião, por meio de ação conjunta com a PF, as autoridades daquele País prenderam parte do bando e apreenderam fuzis e explosivos. Na ação, dois criminosos foram mortos.

Por conta da alta periculosidade de alguns alvos da Operação, seus mandados de prisão estão sendo cumpridos por grupos táticos como o COT (Comando de Operações Táticas), TIGRE e COE, além dos GPI's (Grupos de Pronta Intervenção).

Texto atualizado às 10h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.