PF prende mais cinco acusados de contrabando em Foz

As prisões de policiais e servidores da Receita Federal que trabalham na Ponte da Amizade, que liga o Brasil ao Paraguai, ainda não terminaram. Hoje foram presas mais cinco pessoas - três técnicos da Receita, um policial federal e um patrulheiro da Polícia Rodoviária Federal. Eles devem ser transferidos ainda hoje provavelmente para o quartel do Corpo de Bombeiros, em Foz do Iguaçu.Com mais essas prisões já são 43 os detidos sob acusação de facilitação de contrabando, formação de quadrilha, corrupção passiva e prevaricação. A Operação Sucuri, que teve início no ano passado, apresentou resultado surpreendente no último dia 12, quando foram detidas 36 pessoas, dos quais 22 policiais federais, três fiscais da Receita Federal, dois patrulheiros rodoviários e nove contrabandistas. No dia seguinte, foram detidos mais uma servidora da Receita e outro contrabandista. Todos estão presos, com exceção de dois agentes da Receita, que responderão o inquérito em liberdade. Segundo a denúncia, a fraude estava concentrada na Ponte da Amizade. Os contrabandistas telefonavam antes para os policiais e fiscais, informando as placas dos veículos que faziam parte da quadrilha. Esses carros eram liberados sem que fosse realizada qualquer vistoria. Para cada carro liberado, os agentes recebiam, em média, R$ 200, pagamento que era realizado na própria ponte. Há testemunhas e filmagens que incriminam os acusados. Na residência dos detidos a polícia também apreendeu computadores, documentos e armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.