PF prende mandante do assassinato de auditor da Receita

A Polícia Federal cumpriu, nesta terça-feira, 28, oito mandados de prisão e 18 de buscas e apreensão para deter as pessoas envolvidas no assassinato do auditor fiscal da Receita Federal, José Antônio Sevilha de Souza, em 2005. Em meios aos presos, está um policial civil e um advogado. Os mandados da operação intitulada "DAVI" foram distribuídos em imóveis rurais, residências, empresas e casas de praia dos suspeitos, nas regiões de São José do Rio Preto, São Sebastião, Bertioga, São Paulo e Curitiba. Investigações da PF de Paraná apontam como mandante do crime o empresário paulista Marcos O. G., proprietário da empresa Gemini Ind. e Com., Importação e Exportação Ltda. Marcos teria ordenado a execução por temer que as milionárias fraudes de sonegação fiscal de sua empresa fossem descobertas pelo servidor público. O crime aconteceu em 29 de setembro de 2005, por volta das 20h15min. O auditor foi assassinado quando saía da residência da mãe em seu veículo Fiat/Brava. Os três suspeitos de terem o praticado são Jorge T., investigador de polícia, da Polícia Civil do Estado de São Paulo, seu sobrinho Fernando R., e Luiz. Carlos S. F.. Os dois últimos trabalham como seguranças em empresas pertencentes ao policial, localizadas na capital paulista. Há indícios de que outras quatro pessoas também tenham participado: Marcia R., esposa do mandante, Moacyr, sócio de Marcos, Regiane S., empregada da empresa de segurança de Jorge T., e Joel R., cunhado de Jorge T..

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.