PF prende mentor do milionário furto ao BC de Fortaleza

'Alemão' era o bandido mais procurado do Brasil; segundo a PF, ele estava na região Centro-Oeste do País

Vannildo Mendes, O Estado de S. Paulo

26 de fevereiro de 2008 | 13h01

A Polícia Federal confirmou, nesta terça-feira, a prisão de Antônio Jussivan Alves do Santos, o 'Alemão'. Ele é apontado como o mentor do furto milionário ao Banco Central de Fortaleza e era considerado o bandido mais procurado do Brasil. Segundo a Federal, Alemão foi detido na região Centro-Oeste do País. Em agosto de 2005, ele teria comandado uma ação cinematográfica que culminou no maior furto da história do Brasil - R$ 164,7 milhões foram levados. Alemão, que é cearense,  vinha sendo caçado pela PF desde 2005. Com ele, os agentes encontraram R$ 80 mil.   Veja também: Bandido teria pago R$ 3 milhões por sua liberdade Segundo advogada, Alemão nega ser mentor de roubo ao BCO furto ao Banco Central de Fortaleza ganhou destaque por ter sido, até agora, a maior ação já orquestrada por criminosos em toda a história do País. Os ladrões abriram túnel de 78 metros até o cofre do Banco Central em Fortaleza. Em uma iniciativa cinematográfica, o bando perfurou o túnel, invadiu o cofre do BC e levou R$ 164,7  milhões.Foi o maior furto a banco da história do Brasil. O cofre havia sido fechado às 18 horas do dia 5 de agosto de 2005 e o rombo só foi descoberto na manhã de 8 de agosto. Ao chegar ao trabalho, funcionários do BC viram um buraco de 70 cm de diâmetro no piso do cofre e deram pela falta de cinco contêineres de cédulas de R$ 50 - como são usadas, é impossível fazer o rastreamento delas.Para chegar ao cofre do banco os ladrões tiveram de perfurar um piso de 1,10 metro de espessura, de concreto revestido com uma malha de aço. Dentro do cofre havia sensores de movimento e câmeras de vigilância, que, estranhamente, não dispararam. O túnel partia de uma casa usada por uma empresa de fachada, numa rua paralela à do banco.

Tudo o que sabemos sobre:
roubo ao BCBanco CentralFortaleza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.