PF prende três chineses em Cumbica

Três chineses que usavam passaportes falsos norte-americanos foram presos pela Polícia Federal no fim da tarde desta quarta-feira, no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, quando tentavam embarcar para os Estados Unidos.Os federais investigam para saber se os passaportes foram preparados pela máfia chinesa, que se instalou em São Paulo e vem se envolvendo em assassinatos, extorsões, contrabando e falsificação de documentos. Nos últimos três meses oito chineses foram presos com passaportes falsos americanos, tentando embarcar para os Estados Unidos.Na fila para o check-in da empresa Copa Airlines, com destino a Miami, Jung Geng Shang, de 19 anos, Ai Seng Chan, 22, e Sing Lin Lin, 20, estavam com os passaportes nas mãos. Os federais suspeitaram e pediram para examinar os documentos que os identificavam como nascidos nos Estados Unidos.A falsificação foi considerada "excelente" pelos peritos da PF. Os chineses, que não falam inglês, admitiram, com a chegada de um intérprete, ter comprado os documentos, mas não disseram onde.Os federais informaram que o consulado americano em São Paulo confirmou a falsificação dos passaportes e admitiu que o papel utilizado é de boa qualidade.A PF tenta identificar o grupo que prepara os documentos. Quer saber também se os três estão ligados aos outros chineses presos.A suspeita é que a máfia consegue tirá-los da República Popular da China e os leva para o Paraguai. Depois, eles são trazidos para o Brasil. Em São Paulo, os chineses são deixados em apartamentos da Liberdade e Aclimação até o dia do embarque.DrogaA argentina Adela Alejandra Pernisco, de 44 anos foi presa nesta quarta-feira, em Cumbica, com 2 quilos de cocaína, pela força-tarefa formada pela PF e Receita Federal.Ela desembarcou da Argentina e estava na conexão para a Espanha. Adela saiu de Córdoba, e o desembarque final seria em Málaga, numa nova rota usada pelo tráfico.Desde junho, quando foi criada, a força-tarefa apreendeu 297 quilos de cocaína, US$ 353 mil de origem ilícita e prendeu 33 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.