PF prende três por pedofilia em SP

O dono de uma banca de jornal no centro da cidade, um padeiro e um manobrista de estacionamento, do bairro das Perdizes, na Zona Oeste, foram presos e autuados em flagrante por agentes da Polícia Federal, sob a acusação de pedofilia. Com eles a polícia encontrou farto material de pornografia infantil. Uma da vítimas é uma menina de 10 anos, filha da melhor amiga de um dos detidos, que já é avô.O primeiro a ser detido, no final da tarde de sexta-feria, foi o padeiro Geraldo Xavier Soares, de 48 anos. Os agentes receberam uma denúncia de que um homem, com sua descrição, costumava levar filmes com imagens pornográficas para serem revelados em lojas de material fotográfico, na Rua Antonio de Godoy, a mesma em que se localiza a sede da PF.Ficando à espreita, viram Geraldo sair de um bar, em direção a uma da lojas. Ele deixou o filme e retornou uma hora depois para apanhar a revelação. Foi então surpreendido pelos policiais, que já haviam averiguados as fotos revelados e apuraram ser de pornografia infantil. Interrogado, entregou Fidelcino Ferreira, de 38 anos, proprietário de uma banca de jornais no largo do Paissandu, há poucos metros do prédio da Polícia Federal. Lá, apreenderam fotos, fitas de vídeo, CD-Rom, revistas e outros materiais. O comerciante também recebeu voz de prisão.A dupla denunciou um dos fornedores e também cliente da banca, o manobrista Ivanildo Leandro da Silva, de 38 anos, que mora do estacionamento em que trabalha, à Rua Turiassu, 806, em Perdizes. Lá também apreenderam farto material, inclusive bonecas que o acusado mantinha em posições sensuais. Um poster com a imagem de uma menina nua chamou a atenção dos agentes, pois havia muitas fotos dela. Ivanildo confessou tratar-se de B., de 10 anos, filha de uma vizinha. Como trabalha à noite e tem dificuldade para dormir, durante o dia, ele costuma tomar um forte calmante. Contou que usava essa droga para dopar a garota. Estarrecida, a M.B.S, de 32 anos, mãe da criança, contou aos policiais que é amiga de infância de Ivanildo, com quem estudou na cidade pernambucana de João Alfredo. Ele emigrou para São Paulo, há 20 anos, para onde ela também se mudou, há 11 anos. ?Era meu melhor amigo. Gostava muito mais dele que de meus irmão?, revela M.B.S. Ivanildo é casado e tem filhos e netos. Como confiava demais nele, sempre que precisava a vizinha deixa filha sob seus cuidados. Ele, então, a dopava e, além de abusar sexualmente, a fotografava e comercializava o material, com a ajuda dos comparsas.Entre as fotografias da menina há várias em que facilmente se identifica o quarto e a cozinha de Ivanildo. Há também imagens pornográficas de outras crianças na mesma faixa etária. Os agentes, agora, vão tentar identificá-las para que os pais e responsáveis representem judicialmente contra os criminosos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.