PF quer sabe como Beira-Mar obteve US$ 800 mil em 10 dias

A Polícia Federal fará uma devassa nas casas de câmbioda cidade na tentativa de desvendar o esquema de lavagem de dinheiro que permitiu à quadrilha de Luiz Fernando da Costa, oFernandinho Beira-Mar, amealhar US$ 800 mil em 10 dias ? quantia apreendida pela PF em duas operações realizadas naRodovia Presidente Dutra. Os agentes federais já têm lista as casas de câmbio suspeitas de participarem do esquema de Beira-Mar. A fiscalizaçãonessas instituições deve começar amanhã, já que hoje é dia do padroeiro do Rio e feriado municipal. Os policiais vão investigar ainda as rotas para enviar os dólares para o exterior. Numa delas, o dinheiro sairia do Rio de Janeiro, passaria por São Paulo, pelo Mato Grosso do Sul e cruzaria a fronteira com oParaguai até chegar à cidade de Capitán Bado. Na outra, os dólares passariam por Minas Gerais, para evitar a Dutra. Foi narodovia que liga o Rio a São Paulo que a polícia prendeu, na última sexta-feira, o advogado de Beira-Mar Paulo Roberto Cuzzuol, que levava US$ 320 mil.Num depoimento informal, Cuzzuol confessou que receberia 1% da quantia que levava para transportar o dinheiro e entregar aSandro Mendonça do Nascimento, o Jorge Tadeu, no Paraguai. Cuzzuol estava com a mulher dele, a terapeuta Cecília HeingRodrigues, quando foi preso próximo à cidade de Volta Redonda. Com ele, a polícia encontrou detalhes sobre a contabilidade davenda de drogas e cartas escritas por comparsas de Beira-Mar com prestações de conta.Uma semana antes de Cuzzuol, a Polícia Federal prendeu, também na Dutra, Lucimar Gregório de Lucena. Ela viajava de ônibuse transportava R$ 470 mil. O dinheiro também seria entregue a Jorge Tadeu.

Agencia Estado,

19 de janeiro de 2004 | 19h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.