PF realiza operação contra quadrilha de tráfico de armas no Rio

Ao menos três pessoas foram presas no Rio de Janeiro e em Foz do Iguaçu durante a Operação Ares II

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

28 de maio de 2009 | 18h02

Ao menos três pessoas foram presas nesta quinta-feira, 28, durante a Operação Ares II, da Polícia Federal, que tem como objetivo desarticular organização criminosa responsável por fornecer armamentos de uso restrito e com grande poder de destruição a quadrilhas que atuam em favelas do Rio de Janeiro.

 

As prisões foram feitas no Rio de Janeiro e em Foz do Iguaçu, no Paraná. Além disso, foram expedidos seis de busca e apreensão pela 25ª Vara Criminal do Rio de Janeiro.

 

Um dos alvos da operação encontra-se foragido em razão de um aviso dado pelo porteiro do condomínio em que residia. O porteiro foi conduzido à Superintendência da PF no Rio de Janeiro onde está sendo lavrado Termo Circunstanciado pela prática de favorecimento pessoal.

 

A Polícia Federal aguarda a apresentação do foragido na sede da instituição na Praça Mauá, já que entre os presos estão sua esposa, filho e pai, este último, detido em flagrante por possuir na residência munição e armas de fogo, inclusive um revólver Magnum 44, de calibre restrito.

 

As investigações começaram em outubro de 2008 com a apreensão de 25 armas em Foz do Iguaçu, encontradas em um veículo com placas de São Paulo tripulado por dois brasileiros residentes na fronteira.

 

O arsenal era composto por pistolas automáticas 9mm de fabricação israelense, austríaca e argentina, quatro revólveres calibre 44, da marca Magnum e uma submetralhadora MAC 10 israelense.

 

A organização criminosa, segundo a PF, atuava em Foz do Iguaçu, de onde as armas seguiam para o Rio de Janeiro para distribuição em morros e favelas escondidas na parte interna de veículos de passeio. O líder da quadrilha e destinatário das armas era morador de São Gonçalo, no Rio, e atuava na área de transporte alternativo para lavar o lucro com o tráfico de armas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.