PF realizou 1.256 operações entre 2003 e 2010

Desempenho é três vezes superior ao de FHC; das mais de 15 mil pessoas presas, 1,9 mil eram servidores públicos

Vannildo Mendes, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2011 | 00h00

Em oito anos de governo Lula, a Polícia Federal tornou-se uma bem sucedida máquina de investigar o crime organizado, prender corruptos e desmantelar quadrilhas especializadas em pilhar o erário.

Entre 2003 e 2010, foram realizadas no País 1.256 operações - média de 157 ao ano, que levaram 15.886 pessoas à prisão, das quais 1.902 são servidores públicos de todos os níveis e poderes da República, incluindo governadores de Estado, prefeitos, parlamentares, juízes e membros do Ministério Público. O desempenho é três vezes superior ao do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, antecessor de Lula.

Reformulada pelo ex-ministro Márcio Thomaz Bastos, que lhe deu o lema de "polícia republicana, que não protege amigos nem persegue inimigos", a PF viveu duas fases distintas na era Lula, a primeira delas comandada pelo delegado Paulo Lacerda. Desde então, o País viu pela primeira vez ir para a cadeia gente rica, influente e poderosa, como o banqueiro Daniel Dantas e o ex-prefeito Paulo Maluf. Alguns presos famosos foram exibidos em cadeia nacional, algemados e enfiados no camburão.

O excesso de pirotecnia, porém, incomodou o Supremo Tribunal Federal (STF), que forçou mudanças no modo de atuação da PF. No segundo mandato, o novo diretor, Luiz Fernando Corrêa, pôs em prática uma filosofia baseada na eficiência investigativa e na qualidade da prova, em busca de um gestão de resultados. Um rigoroso manual de operações proibiu exposição de presos. As operações se mantiveram na média, mas aumentou consideravelmente o número de prisões provisórias, com tempo maior de duração que as temporárias, porque são calçadas em provas mais robustas.

O poder do discurso

Nunca antes um presidente falou tanto para tantos e por tanto tempo

2.519 discursos*

1.259,5 horas

43 dias sem parar

Média de tempo de discurso: 25 minutos

Discurso mais longo 1h18min38s

(Em evento organizado pelo The Economist Newspaper Group, em Brasília, no dia 12 de março de 2008**)

Discurso mais curto 1min17s

(No Fórum Empresarial, Cancún, México, no dia 23 de fevereiro de 2010**)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.