PF também vai apurar como ocorreu rompimento

A Polícia Federal abriu investigação para apurar responsabilidades em relação ao rompimento da barragem Algodões 1, em Cocal. A investigação ocorre a pedido do Ministério Público Federal (MPF) e o procurador Marco Túlio Lustosa Caminha solicitou informações técnicas e financeiras (para saber se todas as verbas empenhadas foram usadas). O MPF também solicitou uma perícia no local do acidente.O procurador disse que está recolhendo informações de várias instituições, incluindo o Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs) e o Tribunal de Contas da União (TCU), responsável pelo convênio de construção da barragem e pela fiscalização das verbas, respectivamente. Caminha solicitou ainda informações sobre o clima na região ao Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi) culpou as fortes chuvas pela enchente.Já o governador Wellington Dias (PT) se antecipou ao pedido do Ministério Público Estadual (MPE) e determinou que a Secretaria de Segurança instaure um inquérito para apurar as responsabilidades pelo desabamento. O delegado Eduardo Ferreira foi designado e determinou a criação de um comitê técnico para avaliar o ocorrido na Algodões 1. A empresa responsável pela construção, a Getel, também já foi notificada a dar explicações. O Conselho Regional de Arquitetura, Engenharia e Agrimensura (Crea-PI) convocou até especialistas em barragens de Ceará, Maranhão e Pernambuco para vistorias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.