Agência Brasil
Agência Brasil

PF tem aval para avançar na criação de guarda de fronteira

Pouca fiscalização por parte do governo federal nos limites do País tem sido criticada por governos estaduais e municipais

Carla Araújo e Fabio Serapião, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2018 | 23h12

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer teve um encontro nesta segunda-feira, 15, com o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segovia, no Palácio do Planalto, para discutir a criação de uma polícia fardada de fronteira. A nova classe de policiais a ser criada dentro da PF teria como finalidade atuar de forma ostensiva nos limites do País.

+++ Temer recebeu diretor da Polícia Federal no Palácio do Planalto

Além de Temer e Segovia, o subchefe para Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, também estava na reunião. O ministro da Justiça, Torquato Jardim, não participou, mas disse que conversou com Segovia assim que ele saiu do Planalto. Segundo o ministro, essa PF fardada “é projeto antigo revisitado”, mas ainda não há uma determinação do prazo em que a proposta pode ser finalizada. 

+++ Planalto diz que encontro de Temer com diretor da PF foi sobre segurança

A pouca fiscalização por parte do governo federal nos limites do País tem sido criticada por governos estaduais e municipais. A ausência das forças federais nessas regiões é utilizada como explicação para problemas de segurança pública causados nos centros urbanos pelo crime organizado ligado ao narcotráfico. O Brasil tem mais de 15 mil quilômetros de fronteiras com diversos países, alguns com rotas do narcotráfico ou mesmo produtores de drogas, como Bolívia, Peru e Colômbia e Paraguai.

+++ ‘CONEXÃO ESTADÃO’: Encontro de Temer com diretor da PF não é bem visto

O projeto para criação de uma polícia fardada de atuação exclusiva nas fronteiras vinha sendo discutido desde a gestão do antecessor de Segovia, Leandro Daiello, e agora tem o apoio do governo federal para sair do papel. Nesta terça-feira, 16, o diretor-geral vai reunir-se com integrantes da instituição e representantes das carreiras da PF.

A formação dessa polícia de fronteira ainda depende da criação de uma nova carreira dentro da PF, com atribuições específicas. Participarão da reunião com Segovia, entre outros, representantes dos delegados, dos peritos criminais, dos agentes, papiloscopistas e escrivães. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.