Fábio Serapião/Estadão
Fábio Serapião/Estadão

PF vai criar coordenação de combate a facções criminosas

Meta é investigar os grupos organizados que atuam no tráfico transnacional de drogas - como Primeiro Comando da Capital, Comando Vermelho e Família do Norte

Fábio Serapião, O Estado de S.Paulo

22 Março 2018 | 16h04

BRASÍLIA - Para expandir a atuação da Polícia Federal (PF) no combate ao narcotráfico, o novo diretor da corporação, Rogério Galloro, vai aumentar as atribuições da Coordenação-Geral de Polícia de Repressão a Drogas, a CGPRE. A partir de agora, a divisão passa a se chamar Coordenação-Geral de Repressão a Drogas e Facções Criminosas.

A meta é investigar os grupos criminosos organizados que atuam no tráfico transnacional de drogas - como Primeiro Comando da Capital (PCC), Comando Vermelho (CV) e Família do Norte (FDN).

A medida tem o objetivo de adequar a PF às novas funções dentro do Ministério Extraordinário da Segurança Pública. A proposta de Galloro já está com o ministro, responsável por oficializá-las. O titular da coordenadoria será o delegado Júlio Cesar Baida Filho, que estava à frente da operação União Rio, ação da PF no trabalho integrado com as outras forças de segurança na intervenção federal no Rio. 

+++ Polícia prende Capuava, um dos líderes do PCC em SP

O Estado apurou que, além de se adequar à suas funções no Ministério de Segurança Pública, a criação da coordenaria visa unificar as informações de inteligência dentro da PF e, também, integrar os trabalhos da corporação com os das outras forças de seguranças que atuam contra as facções criminosas ligadas ao narcotráfico.

Embora ainda não tenha sido oficialmente criada, a coordenação já possui duas equipes em atuação. Uma dessas equipes está no Ceará para ajudar as forças de segurança locais na investigação sobre a disputa entre facções que tem feito aumentar os índices de criminalidade no estado. O outro grupo está no Rio, onde atua com a Secretaria de Segurança Pública fluminense na coleta de informações de inteligência para auxiliar na intervenção federal.

+++ Três mulheres são torturadas, mortas e decapitadas em Fortaleza

Dentro da estrutura organizacional da PF, a nova coordenadoria que deve avançar sobre facções, agora chamada CGPRE-FC, ficará sob o comando da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado (DICOR). O atual diretor do setor é o delegado Élzio Vicente da Silva, ex-superintendente da PF no Distrito Federal, visto dentro da corporação como um dos mais experientes no combate ao crime organizado. 

+++ Família do Norte é a terceira maior facção do País

Silva é autor de livros teóricos sobre a atuação da PF e das outras polícias judiciárias. Em sua última obra, Operações Especiais de Polícia Judiciária, o delegado aponta o formato de grandes operações, como Lava Jato e Zelotes, como ideal para combater também facções e grupos de inspiração terrorista. 

Diretrizes. Com projeção em todo País, essa nova coordenadoria vai criar as diretrizes de combate às facções e organizar a execução em todas as Superintendências da PF espalhadas nos 26 estados e no DIstrito Federal. 

Com a ampliação da atuação da coordenação, além do tráfico de drogas em si, a estrutura vai nortear investigações relacionadas a outros crimes praticados pelas facções como roubos a bancos, caixas eletrônicos e empresas de valores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.