PF vai investigar diplomas irregulares no RJ

O ministro da Educação, Paulo Renato Souza, disse nesta quarta-feira que a Polícia Federal (PF) será acionada para investigar denúncias de irregularidades na concessão de diplomas de licenciatura plena na Universidade Iguaçu (Unig), em Nova Iguaçu, RJ. A instituição passará por processo de recredenciamento, pode perder a condição de universidade e até ser fechada. Além disso, uma comissão nomeada pelo Ministério da Educação (MEC) terá dez dias para verificar as fraudes apontadas na edição desta semana da revista "IstoÉ"."Não temos nenhuma comprovação daquilo que foi veiculado na imprensa, mas as informações são suficientemente graves e detalhadas para iniciar o processo de investigação", disse Paulo Renato. A PF vai investigar também as Faculdades Integradas de Filosofia, Teologia, Ciências Humanas e Sociais (Faifitechs), em São Paulo, citada na reportagem da revista. A instituição paulista não é credenciada no MEC. "Isso é caso de polícia", disse o ministro, sobre a Faifitechs.A Unig será a primeira universidade do País a ser recredenciada. Enquanto durar o processo - o prazo máximo é de quatro meses - a instituição perderá a autonomia universitária, que permite a criação de cursos e vagas sem autorização do ministério. No recredenciamento, todos os cursos de graduação e pós-graduação, as atividades de pesquisa e extensão serão avaliados. O resultado será então encaminhado ao Conselho Nacional de Educação, que definirá punições ou não.AnulaPaulo Renato disse que, se comprovadas as denúncias, o MEC tomará providências para anular os diplomas irregulares concedidos pela Unig. A reportagem mostrou que a Unig oferecia cursos de licenciatura plena para professores de outras cidades que freqüentavam a instituição apenas uma vez por mês. Opção semelhante, segundo a revista, passaria também a ser oferecida pela instituição paulista, que formalmente não existe no cadastro do MEC.DireitoO ministro afirmou que Paulo Renato vai homologar nos próximos dias parecer do Conselho que cancela o reconhecimento do curso de direito da Faculdade Brasileira de Ciências Jurídicas, no Rio. O ministro havia pedido o fechamento do curso, mas o CNE rejeitou a solicitação. A partir do ano que vem, a instituição não poderá mais fornecer diplomas, até que obtenha novo reconhecimento. O ministério estuda uma solução jurídica, segundo Paulo Renato, para definir a situação dos estudantes que estiverem cursando o último ano em 2002, caso até lá a faculdade não tenha sido novamente reconhecida.

Agencia Estado,

18 de abril de 2001 | 21h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.