PF vai pedir prisão preventiva de diretores de sindicato

A Polícia Federal (PF) decidiu pedir a prisão preventiva dos dirigentes do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de São Paulo e indiciá-los por formação de quadrilha, dano e crimes contra a organização do trabalho.A informação foi dada pelo delegado Nivaldo Bernardi, da Delegacia de Ordem Política e Social (Delops). Nesta terça-feira, mais dois dos 17 sindicalistas que tiveram a prisão temporária decretada se apresentaram na sede da PF, na Lapa, zona sul de São Paulo. Quatro permaneciam foragidos até a noite desta terça.Outra suspeita contra diretores do sindicato é seu suposto envolvimento no assassinato de líderes sindicais. Isso será investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) e pelos promotores do Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE).Os 17 sindicalistas que tiveram a prisão temporária de 5 dias decretada pelo juiz Toru Yamamoto, da 3ª Vara Criminal Federal, são suspeitos ainda de receber dinheiro de empresários para promover greves. Além da prisão, o juiz determinou ainda a busca e apreensão de documentos na sede do sindicato e na casa dos dirigentes, realizadas nesta segunda-feira.O delegado Nivaldo Bernardi disse que ex-dirigentes do sindicato estiveram durante a madrugada e manhã desta terça na sede da PF. Eles fizeram denúncias contra os atuais líderes da categoria. "A prisão preventiva é necessária para que eles não interfiram na investigação". A prisão temporária de cinco dias vence na sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.