Piauí estipula multa e prisão para incendiários

Estado teve 2 mil focos de queimadas; em relação ao ano passado, número de incêndios cresceu 112%

Luciano Coelho - Especial para o Estado de S. Paulo,

21 Agosto 2012 | 19h40

TERESINA - O Piauí registrou 2 mil queimadas desde o inicio do ano, segundo dados do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O número de incêndios cresceu 112%, em relação ao mesmo período de 2011. 

O Corpo de Bombeiros estipulou multas e ameaça de prisão para quem provocar queimadas no Estado. As multas variam de R$ 300,00 a R$ 1.000,00 por hectare, além do enquadramento legal que prevê prisão.

Combate. O Corpo de Bombeiros intensificou o combate às queimadas, dando ênfase aos casos considerados de maior risco. Nesta semana, o depósito de veículos apreendidos do Detran/PI sofreu um incêndio e cerca de 100 carros foram totalmente destruídos.

De acordo com o coronel Manoel Santos, comandante geral do Corpo de Bombeiros, apesar do aumento considerável de ocorrências, a determinação é para que todos os casos sejam atendidos. "Percebemos que a quantidade de ocorrências que chegam à corporação tem aumentado, mas estamos procurando, dentro do possível, atender com agilidade todas as chamadas, principalmente àqueles incêndios que estão ocorrendo próximos a residências, postos de combustíveis e escolas", explicou.

As altas temperaturas e a baixa umidade do ar colocam o Piauí em estado de alerta para possíveis incêndios. A expectativa é que continuem as ocorrências devido o tempo seco. 

Incêndios. Apenas 2% dos incêndios florestais identificados acontecem em razão de fatores naturais. Os outros 98% dos casos são causados por ações humanas. "Estas pessoas estão passíveis de punições pelos crimes ambientais, pois podem causar danos ao patrimônio público e privado, sem falar nas consequências para a destruição do meio ambiente. Se a pessoa for pega em flagrante, ela pode ser enquadrada segundo as conformidades da lei", alerta o coronel Santos.

Mais conteúdo sobre:
incêndioPiauí

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.