PIB ao longo do Trecho Oeste cresce 3 vezes mais

A entrada em operação do Trecho Oeste do Rodoanel, em outubro de 2002, levou à instalação de inúmeras empresas, favorecendo municípios ao longo das pistas. Próximo ao trevo Anhanguera, por exemplo, foram instalados 37 empreendimentos. Entre os trevos Anhanguera e Padroeira, em Osasco, surgiram outros 14. Osasco recebeu 172 empresas de médio e grande porte entre 1995 e 2003, do anúncio do projeto à execução das obras. "Áreas foram valorizadas pela saída rápida para rodovias", explica o secretário de Habitação de Osasco, Sérgio Gonçalves. A Agência de Desenvolvimento Econômico de Guarulhos aponta relação direta entre crescimento econômico e o Rodoanel. Na Grande São Paulo, os municípios que mais cresceram entre 2002 e 2005 foram os próximos da via expressa, no Trecho Oeste. O crescimento real do PIB nessas cidades foi de 30% no período, enquanto o do Brasil foi de 10%. Com menos caminhões trafegando pela região central da capital e suas principais avenidas e marginais, o tempo médio das viagens internas de automóveis na região metropolitana deve diminuir de 28,2 minutos para 27,8 minutos, menos 1,4%, segundo estudo da Dersa sobre mudanças a partir do início da operação do Trecho Sul. O tempo das viagens internas de caminhão deve cair de 114,6 minutos para 107 minutos, 6,6% a menos, em relação à situação só com o Trecho Oeste em operação. A Perdigão, com fábricas na região Sul do País, ganhou uma hora e meia no transporte de seus produtos dos pontos industriais até o centro de distribuição no bairro do Jaguaré, zona oeste da capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.