Pichador tem pena reduzida na Câmara

Pichação podia levar a até 1 ano de prisão; se projeto for aprovado, infrator deverá prestar serviços de conservação ao patrimônio

Nivaldo Souza, O Estado de S. Paulo

29 de abril de 2015 | 22h20

BRASÍLIA - A Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta quarta-feira, 29, um projeto de lei modificando a pena prevista para quem pichar ou degradar prédio ou monumento urbano. Com isso, a pessoa flagrada em ato de pichação pode ser obrigada a prestar serviços de conservação ao patrimônio ou via pública por até cinco meses, além de reparação à vítima. No caso de reincidência, a pena dobra para até dez meses de serviços.

Na lei anterior, a 9.605/1998, a pichação era punível com pena entre 3 meses a 1 ano de detenção e multa. O deputado Domingos Neto (PROS-CE) propôs o agravamento dessa pena, incluindo a suspensão do recebimento de programas sociais como o Bolsa Família no caso de pichadores que tenham acesso ao benefício. 

O deputado Alessandro Molon (PT-RJ) rejeitou a sugestão de Neto, alegando que o aumento da punição era "inadequado e desproporcional". A proposta de Molon venceu no plenário com o argumento de que a prestação de serviço tinha "efeito suficientemente pedagógico para prevenir a conduta" de degradar patrimônio público. O projeto segue agora para o Senado, onde pode sofrer alterações. 

Tudo o que sabemos sobre:
Câmarapichaçãopatrimônio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.