Piloto do Legacy pode ter desligado transponder sem querer

Afirmação é de comandante do Cindacta-4, que depôs na CPI do Apagão Aéreo

Agencia Estado

04 Julho 2007 | 17h30

Em depoimento nesta terça-feira, 3, à CPI do Apagão Aéreo da Câmara, o comandante do Cindacta-4, em Manaus, coronel Eduardo Antonio Carcavallo Filho, afirmou que é possível que os pilotos americanos Joe Lepore e Jan Paladino tenham desligado involuntariamente o transponder do jato Legacy, que se chocou com o Boeing da Gol, em 29 de setembro. O transponder é um instrumento que impede a colisão entre aeronaves. "É possível que o transponder tenha sido desligado involuntariamente. Mas se aconteceu um desligamento intencional ou involuntário a investigação é que vai dizer", observou o coronel Carcavallo. Em sua avaliação, o fato de o transponder estar desligado foi a principal causa do acidente entre o Boeing e o jato, quando 154 pessoas morreram. No depoimento, o comandante do Cindacta-4 fez questão de isentar os controladores de vôo de Manaus de qualquer culpa pelo acidente. "A atuação dos controladores de vôo do Cindacta-4 foi impecável", observou o coronel. Quatro controladores de vôo do Cindacta-1, em Brasília, foram indiciados pelo Ministério Público Federal por crime de homicídio culposo e doloso. Logo depois da colisão, assim que o Legacy aterrissou na base aérea do Cachimbo, Carcavallo conversou com os pilotos do jato pelo telefone. O comandante explicou que perguntou logo sobre o transponder e o TCAS - instrumentos que funcionam juntos e permitem a localização da aeronave, além de evitar colisões. "Na primeira vez que perguntei sobre o TCAS, o Lepore disse que ele estava desligado. Mas depois que ele conversou com alguém que estava a seu lado, ele mudou a versão e disse que estava ligado", contou Carcavallo. Para o assessor de segurança de vôo do Sindicato dos Aeronautas, Célio Eugênio Abreu Júnior, o transponder do Legacy deve ter sido desligado acidentalmente. "Se o transponder foi desligado, acredito em um desligamento involuntário", disse Célio, que depôs na tarde desta terça na CPI do Apagão Aéreo da Câmara. "Sinceramente não acredito que tenha um piloto com intenção de desligar o transponder", completou. O Comando da Aeronáutica informou nesta terça que a comissão de inquérito que investiga as causas da queda do avião da Gol ainda não concluiu seus trabalhos. "A comissão não apresentou até o momento nenhuma conclusão em relação a operação dos equipamentos dentro do Legacy", disse a Aeronáutica. Investigações preliminares apontam que o transponder do Legacy teria sido desligado involuntariamente pelos pilotos, que teriam confundido esse aparelho e o rádio. Os dois ficam dentro da mesma "caixa" do painel de controle. Os pilotos norte-americanos teriam digitado os códigos de freqüência do rádio no transponder e, dessa forma, prejudicando o funcionamento dos dois equipamentos.

Mais conteúdo sobre:
transponder legacy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.