Piloto e co-piloto da FAB conheciam bem a serra

O piloto e o co-piloto do avião Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB), que explodiu ontem após colidir com a Serra da Tiririca, em Niterói, Grande Rio, tinham pelo menos 15 anos de experiência. Segundo a Aeronáutica, o comandante, capitão-aviador Alexandre Caldeira Coelho, e o co-piloto, capitão-aviador Luiz Gonzaga de Almeida Oliveira, conheciam bem a região onde ocorreu o acidente.O Hércules foi comprado dos Estados Unidos em 1965 e havia passado por uma modernização em março desse ano, segundo a Aeronáutica. Cerca de 50 pessoas, entre investigadores do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes da Aeronáutica (Cenipa) e equipes de resgate, estão no local à procura de partes da fuselagem da aeronave, ainda não encontradas. Destroços do avião foram localizados num raio de um quilômetro a partir do local da explosão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.