Piloto que ajudou Legacy critica comunicação aérea no País

O piloto Alexander Cortez que ajudou o jato Legacy a pousar na Serra do Cachimbo, no Pará, após se chocar contra o Boeing da Gol no dia 29 de setembro, falou sobre o caso na manhã desta segunda-feira, 23, em entrevista ao jornal Fala Brasil, da TV Record. O piloto, que voava na mesma rota do avião da Gol, foi o primeiro a receber o pedido de ajuda do jato executivo. Cortez vinha de Miami para São Paulo e estava na mesma rota das duas aeronaves. Ele disse acreditar que problemas de comunicação possam ter causado o acidente.Só depois da ajuda ao piloto do jato, Cortez ficou sabendo da tragédia. Ele estranha não ter recebido nenhum pedido de ajuda do Boeing da Gol e criticou o sistema de comunicação aérea do Brasil. "No centro de Manaus tem bastante eco na freqüência, tem estática, é difícil compreender o que os controladores estão passando. Tem situações que tem que perguntar três, quatro vezes o que eles estão falando para compreender a autorização. Tem muito ruído".De acordo com Cortez, os pilotos do Legacy não conseguiram contato com os controladores. Alexander ouviu o pedido de socorro feito em inglês, que aconteceu 4 minutos após o Legacy se chocar com o Boeing. "Escutamos na freqüência de emergência, o Legacy pedindo ajuda. Ele sabia de um aeroporto mas não sabia o nome e não tinha o contato das freqüências para pousar", explica.Da cabine do Boeing que ocupava, Cortez fez o pedido de socorro. Ele conseguiu colocar o piloto do Legacy em contato com o controlador de vôo. Mas o piloto do jato Joseph Lepore e o controlador não conseguiam se entender. Um não falava português e o outro não falava inglês. "Eles esqueceram de perguntar quantos metros tem a pista. Eu lembrei para eles: pergunta quantos metros tem a pista. Ele perguntou, mas o controlador não conseguia entender. Eu entrei na conversa falando português para o controlador que ele estava perguntando quantos metros tinha a pista."Cortez ainda não foi ouvido por nenhuma autoridade brasileira e disse estar à disposição para falar, esperando que possa ajudar a esclarecer a tragédia do vôo 1907. "É estranho que um jatinho tão pequeno como o Legacy se choque contra um Boeing e o faça cair. Não dá. Algo está errado. As caixas-pretas do Boeing e as investigações vão dar as respostas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.