Pilotos da Air France ameaçam greve por mais segurança

Sindicatos pedem mudanças na organização e nos procedimentos em relação à segurança da empresa francesa

Daniela Fernandes, BBC

23 Julho 2009 | 10h12

Quase dois meses após o acidente com o voo 447 da Air France, quatro sindicatos de pilotos da companhia aérea ameaçaram convocar uma greve se não forem tomadas "medidas visíveis" para reforçar a política de segurança da empresa. Em uma carta enviada ao diretor-geral da Air France, Pierre-Henri Gourgeon, os pilotos pedem que o prazo de manutenção dos tubos Pitot, que medem a velocidade do avião, seja reduzido de 18 para seis meses. 

 

Veja também

documento Relatório da BEA sobre o acidente (em inglês)

especialLeia íntegra da entrevista com o diretor da Air France

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo   

Os pilotos ameaçam cruzar os braços a partir de setembro se essa e outras reivindicações não forem adotadas com urgência. A carta foi enviada por quatro sindicatos de pilotos da Air France, que representam cerca de 30% da categoria.

Falhas nos sensores de velocidade do Airbus A330 da Air France já foram identificadas pelo BEA, o órgão francês que investiga a tragédia com o voo 447, "como um dos elementos, mas não a causa do acidente", que ainda não foi determinada.

Sindicatos de pilotos da Air France já haviam ameaçado fazer greve em junho se a companhia aérea não trocasse os sensores de velocidade de sua frota de aviões Airbus A330 e A340, o que já foi realizado.

Outras medidas

Na carta, os pilotos também pedem à direção da empresa uma formação técnica em um simulador específico para constatar na prática os procedimentos de emergência enfrentados pela tripulação do voo 447 no momento em que o avião perdeu o controle.

Os pilotos exigem até uma nova organização administrativa da companhia em termos de segurança dos voos. Eles alegam que o desaparecimento do voo 447, que decolou do Rio de Janeiro no dia 31 de maio com 228 pessoas a bordo, não foi tratado internamente de maneira adequada.

Os quatro sindicatos de pilotos (Alter, Rway, Spaf e UNPL) também pedem a criação de uma diretoria de segurança dos voos na empresa, que ficaria sob a autoridade direta do presidente da companhia aérea.

A diretoria da Air France e os responsáveis da aviação civil só foram informados sobre o desaparecimento do voo seis horas após o ocorrido.

O BEA está investigando por que os alertas de emergência somente foram dado seis horas após o desaparecimento do avião, que caiu sobre o oceano Atlântico.

Os sindicatos da categoria pedem mudanças nas equipes de tripulação para evitar que um voo com mais de duas horas de duração seja efetuado com apenas duas pessoas no cockpit (o comandante e o co-piloto), como ocorre normalmente na Air France.

Eles solicitam que os voos de longa duração sejam feitos com pelo menos três pilotos a bordo.

Na carta, os sindicatos afirmam que a segurança deve ser a primeira prioridade da Air France, "independentemente da redução de custos".

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.