Pilotos da Air France vão treinar com simulação do voo 447

Treinamento servirá para verificar na prática procedimentos de emergência; avião caiu no Atlântico em maio

Daniela Fernandes, BBC

01 de setembro de 2009 | 13h27

Os pilotos da Air France vão passar a realizar, a partir deste mês, uma sessão de treinamento especial que simula as circunstâncias conhecidas do acidente com o voo 447 da Air France. O avião, que caiu no dia 31 de maio no Oceano Atlântico, registrou problemas nos sensores de velocidade, segundo conclusões preliminares das investigações.

 

Veja também

linkExplicação para queda do voo 447 deve demorar 18 meses

linkAgência pede mais dinheiro para investigação do voo 447

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

documento Relatório da BEA sobre o acidente (em inglês)

especialLeia íntegra da entrevista com o diretor da Air France

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo 

 

O treinamento, com um simulador, servirá para verificar na prática os procedimentos de emergência que devem ser realizados no caso de problemas nos sensores de velocidade do avião, afirma Erick Derivry, porta-voz do Sindicato Nacional dos Pilotos de Linha (SNPL) da Air France, que representa cerca de 70% da categoria na companhia aérea. "A sessão especial vai reproduzir as condições de perda das velocidades medidas pelos sensores em alta altitude, uma situação do que a tripulação do voo AF 447 teve de enfrentar", diz ela.

 

"Esse treinamento dos pilotos é uma reivindicação forte do sindicato para que eles possam aumentar sua capacidade de reação diante do problema de perda das informações de velocidade do avião", afirma o porta-voz do sindicato. Em um relatório preliminar divulgado no início de julho, o BEA, o órgão francês que investiga as causas do acidente com o voo 447 da Air France, afirmou que as falhas nos sensores de velocidade do Airbus A330 "seriam um dos elementos, mas não a causa do acidente".

 

Na segunda-feira, o diretor do BEA, Paul-Louis Arslanian, declarou que "nada, até o momento, permite explicar o acidente" e que as investigações poderão durar ainda até um ano e meio. Segundo o porta-voz do SNPL, esse treinamento especial, que não estava previsto no programa normal de quatro exercícios com simuladores, deverá envolver cerca de 3 mil pilotos da Air France que voam aviões da Airbus.

 

No fim de julho, quase dois meses após o acidente que matou 228 pessoas, quatro outros sindicatos de pilotos da Air France enviaram uma carta ao presidente da companhia aérea ameaçando convocar uma greve se não fossem tomadas "medidas visíveis" para reforçar a política de segurança da empresa. Entre as reivindicações, os pilotos também exigiam uma formação técnica em um simulador específico para observar, na prática, os procedimentos de emergência enfrentados pela tripulação do voo 447 da Air France.

 

Na segunda-feira, o BEA também anunciou que uma terceira fase de buscas das duas caixas-pretas do avião deve começar nos próximos meses. Essa nova fase poderá ter a participação de vários outros países, segundo o órgão francês.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.