Pilotos do Legacy passam por exames médicos no Rio

O piloto Joe Lepore e o co-piloto Jean Paladino, tripulantes do jato Legacy que se chocou contra o Boeing da Gol na última sexta-feira, estão fazendo exames clínicos e laboratoriais no Centro de Medicina Aeroespacial (Cemal) no Rio de Janeiro, nesta terça-feira, 3. Os testes tiveram de ser feitos no Rio porque o Cemal é o centro de referência da Aeronáutica para este fim. Eles já fizeram exame de sangue e raios X. Aparentam bom estado de saúde e não têm ferimentos pelo corpo, segundo informações de funcionários do Cemal. Representantes da embaixada americana e um advogado acompanham Leporace e Paladino.Ainda não há confirmação sobre a apreensão dos passaportes dos tripulantes, que são norte-americanos, nem quando eles deixarão o País. DepoimentoNa segunda-feira, os americanos foram ouvidos por membros da comissão técnica de investigação do Comando da Aeronáutica e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) no Rio, que não revelou detalhes sobre o depoimento. Eles relataram como e em que situação ocorreu a colisão no ar com a aeronave da Gol.Segundo Cláudio Passos, gerente geral de Certificação de Aeronaves da Anac, que acompanhou o depoimento, é cedo para afirmar se houve alguma contradição entre o que disseram os pilotos e os dados das caixas-pretas do Legacy, cuja análise está sendo feita desde domingo.Passos evitou antecipar detalhes e comentar as declarações supostamente passadas pelos pilotos à Polícia Civil de Mato Grosso, segundo as quais teria havido erro do controle de tráfego aéreo.A diretora da Anac, Denise Abreu, disse que a cautela na divulgação de detalhes da investigação é necessária para não se acusar inocentes. Além dos pilotos, permanece em São José dos Campos, interior de São Paulo, David Rimmer, vice-presidente sênior da ExcelAire, empresa que comprou o jato. Um representante da ExcelAire informou que os três permanecerão por tempo indeterminado no País para "auxiliar as autoridades brasileiras".Matéria atualizada às 12h17 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.