Pimenta: Juiz pede que imprensa e público deixem tribunal

O juiz Diego Ferreira Mendes mandou evacuar a sala do Tribunal do Júri logo no início dos debates finais do julgamento do jornalista Antônio Marcos Pimenta Neves, de 69 anos, réu confesso do assassinato da ex-namorada e também jornalista Sandra Gomide, nesta quinta-feira. Ele rejeitou um pedido da acusação de quebra de sigilo de algumas peças que seriam usadas durante os argumentos. Em seguida alegou que, para garantir condições iguais à defesa, também decretaria segredo para todo o procedimento. Jornalistas e público, assim como testemunhas e familiares do réu, tiveram que deixar o salão. Os debates, com duração prevista de 5 horas, prosseguirão tendo como partes apenas o juiz, o promotor e o assistente de acusação, o réu, seus defensores e os jurados. Às 22h30, houve uma pausa para o jantar. Às 23h20, começou a falar a defesa. A decisão dos jurados poderia sair na madrugada, mas o juiz poderia suspender a sessão e retomá-la pela manhã.O pai de Sandra Gomide, João Florentino Gomide, criticou a decisão do juiz. Ao ser obrigado a deixar plenário, Gomide disse que já não estava tão confiante "numa boa condenação" do autor do crime. Para Gomide, as testemunhas de defesa deram testemunhos falsos. "Disseram que minha filha levou presente e dinheiro para não publicar uma matéria, mas se ela tivesse feito isso, estava rica". O suposto presente, um par de botas equatorianas para hipismo, foi citado no depoimento da jornalista Maria Luíza Gonzales. Segundo o pai, Sandra sempre teve um comportamento ético.Debate Após o depoimento das oito testemunhas de acusação e de defesa, começou, na noite desta quinta-feira, 4, no Fórum de Ibiúna, a fase de debates.A acusação, que começou a argumentar às 19h55, terá duas horas com direito a réplica para expor as razões para a condenação do réu. A defesa terá igual tempo para tentar aliviar a pena, já que Pimenta é réu confesso. Em seguida, serão formulados os quesitos para a votação dos jurados. A previsão é de que caso prossiga sem interrupção e que o julgamento se encerre na madrugada de sexta, 5. Durante todo o dia foram ouvidas as sete testemunhas arroladas no processo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.