AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Pimenta Neves vai a júri amanhã por assassinato de jornalista

Quase seis anos após ter matado a jornalista Sandra Gomide, de 32 anos, o também jornalista Antônio Marcos Pimenta Neves, de 69, deve ir a júri popular nesta quarta-feira (3). O crime ocorreu em 20 de agosto de 2000, num haras em Ibiúna, a 70 quilômetros de São Paulo, onde ele será julgado.Pimenta e Sandra eram namorados e haviam rompido meses antes. Ele alegava se sentir traído por ela pessoal e profissionalmente. Pimenta era diretor de Redação do jornal "O Estado de S.Paulo", onde ela também trabalhava. Para a família de Sandra, o jornalista matou por vingança - não se conformaria com o fim do relacionamento.O Ministério Público Estadual (MPE) acusa o jornalista de homicídio duplamente qualificado - recurso que impossibilitou a defesa (Sandra foi baleada pelas costas) e motivo torpe (vingança). Nos últimos quatro anos, o jornalista usou quase todos os recursos cabíveis para afastar o motivo torpe.A atuação da defesa foi classificada diversas vezes como procrastinatória - que atua para atrasar o processo. Após os 70 anos, o prazo de prescrição dos crimes e as penas, em caso de condenação, caem pela metade.NegativaNesta terça, véspera do julgamento, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitaram dois recursos de Pimenta. Ele entrou com habeas-corpus no Tribunal de Justiça (TJ) paulista, pedindo para apelar em liberdade, se condenado. A decisão não havia saído até a noite.O entendimento da Justiça costuma ser nesse sentido: se não havia motivo para prender o réu antes da condenação em primeiro grau e a situação se mantém após a sentença, costuma-se manter a liberdade.A pena prevista vai de 12 a 30 anos de prisão, segundo o promotor de Justiça Carlos Sérgio Rodrigues Horta. "Vamos lutar pela condenação à pena máxima." A expectativa do advogado Sergey Cobra Arbex, contratado pela família de Sandra para atuar na assistência de acusação, é pena de 15 anos.Com o posicionamento do STF que permite progressão de regime para crimes hediondos, se for preso, Pimenta pode pedir para ir ao semi-aberto após cumprir um sexto da pena. A defesa deve alegar que ele cometeu o crime sob violenta emoção, o que poderia reduzir a pena. O promotor acredita que a sentença saia ainda nesta quarta-feira. Por garantia, o juiz reservou o fórum para três dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.