Pimentel admite erro em ter unido PT mineiro a Aécio

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, fez no sábado um mea-culpa pela aliança com o PSDB que levou a um racha no PT mineiro, principalmente com o grupo do ex-ministro Patrus Ananias. Ele defendeu a unificação do partido, de olho nas eleições de 2012 e na sucessão presidencial em 2014.

Marcelo Portela, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2011 | 00h00

A proposta foi defendida também por outros petistas que participaram da comemoração, em Belo Horizonte, dos 31 anos do partido. Pimentel e o ex-governador de Minas e atual senador Aécio Neves (PSDB) se uniram em 2008 em torno da candidatura de Marcio Lacerda (PSB) à prefeitura da capital mineira. "A prioridade no momento é estarmos unidos em torno do sucesso do governo Dilma e do sucesso do PT nas próximas eleições", disse.

As declarações foram feitas ao lado de aliados de Patrus. Um deles, Rogério Correio, disse que "depende do grupo do Pimentel sepultar de vez essa aliança com o PSDB".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.