Leonardo Zvarick/Estadão
Leonardo Zvarick/Estadão

Pinga Ni Mim consolida sucesso do sertanejo no carnaval de SP

Expectativa do bloco é receber mais de 250 mil pessoas no Parque do Ibirapuera

Leonardo Zvarick, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2019 | 15h02

Quando teve a ideia de criar um bloco de carnaval que tocasse música sertaneja, a produtora de eventos Nathália Takenobu, de 33 anos, pensava em duas coisas.

Primeiramente, queria suprir uma carência pessoal. "Sou de Presidente Venceslau e sentia muita falta da música que cresci ouvindo aqui em São  Paulo", disse Nathália, uma das idealizadoras do bloco Pinga Ni Mim, que desfila agora no Parque do Ibirapuera.

O outro pensamento foi o de que o carnaval paulista logo seria conhecido Brasil afora por sua diversidade. Para isso, o sertanejo não poderia ficar de fora.

Assim surgiu o conceito, sucesso desde a primeira edição, em 2017. "A gente não tinha nenhuma certeza de que daria certo, mas atingimos o dobro do público esperado", conta Nathália.

O sucesso foi tanto que surgiram nesse ano outros blocos dedicados ao estilo musical - neste domingo, 3, no Parque do Ibirapuera, o cantor Michel Teló apresentou a primeira edição do Bem Sertanejo. No mesmo local, a expectativa do Pinga Ni Mim é receber um público ainda maior que os 250 mil do ano passado.

A grande novidade para o carnaval 2019 é a parceria com o Villa Country, casa noturna da zona oeste da capital.

"É uma ideia que a gente tinha desde o ano passado", explica Carlinhos Anhaia, guitarrista da banda do Villa Country, sobre se apresentar em um bloco. "Com o pessoal do Pinga Ni Mim, conseguimos evitar a burocracia que existe pra se abrir um bloco novo e pudemos aliar nosso público ao deles".

A ideia é aprovada por foliões de todas as idades. "Isso aqui une as duas melhores coisas do Brasil: carnaval e sertanejo. Eu venho todo ano", disse Viviane Martins, de 23. Pela primeira vez, ela trouxe a mãe, Regina, de 50, para a folia. "Nunca tinha ido a um bloco e estou adorando, o clima aqui é  muito bom", disse a mãe. 

Para o diretor do Villa Country, o sertanejo tem a cara do carnaval de São Paulo. "Morei em Salvador e por lá já tinha trio de sertanejo no carnaval. Não faz sentido não ter aqui, numa cidade que por si só já é uma mistura de ritmos", disse Hélio Luccats, de 40. A festa no Ibirapuera começou por volta das 13h00 e deve seguir até  às 19h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.