Pirataria no centro da cidade

Carta 19.123 Trabalho na República, Centro, e reclamei no site da Segurança Pública da falta de policiamento para impedir o contrabando vendido entre a Sete de Abril, Largo Paiçandu e 24 de Maio. Ambulantes têm DVDs de lançamentos que ainda estão no cinema, tênis e roupas de marca falsificadas; e se eles não têm o número do cliente, vão buscar numa das salas dos prédios comerciais. Temos de nos desviar deles nas calçadas, e eles têm rádios para comunicar a presença da polícia ou de fiscais. Creio que inibindo os pequenos contrabandistas, será possível punir os grandes. De quem é a responsabilidade? Por quê da Polícia Federal? Quem faz a segurança na rua e para que servem a PM e a GCM? A responsabilidade deveria ser compartilhada, porque eles ameaçam a segurança e sonegam IPI, ICMS e ISS. MARCELO DE LIMA REZENDE Capital A Polícia Militar responde: "Fazemos, com a Prefeitura, a Operação Centro Legal. No dia 2/8, na Rua Com. Afonso Kherlakian (Shopping Galeria Pagé), os policiais militares apreenderam 35.680 DVDs, 4.230 CDs e 7.500 encartes de CDs e DVDs. Oito pessoas foram detidas em flagrante, receberam ordem de prisão, e foram conduzidas, juntamente com o material apreendido, até o 1.º DP, para registro de boletim de ocorrência. O policiamento não se restringe apenas ao Centro de São Paulo, pois no dia 3/8, na Rua Senador Flaquer (zona sul), apreendemos vários produtos falsificados, como DVDs, CDs, tênis, roupas e outros materiais. Prendemos seis pessoas e as conduzimos ao 11.º DP." Carta 19.124 Criminalidade Hoje (15/8) fui assaltado a mão armada no Morumbi. Um homem desceu de uma perua Citröen prata em frente de casa e tentou me subjugar; minha reação foi jogar o portão contra ele, caímos ao chão e ele fugiu. Há semanas, motoqueiros assaltaram trabalhadores no ponto de ônibus vizinho. Um amigo foi seqüestrado na mesma área, câmeras do banco filmaram-nos sacando dinheiro, mas eles não foram presos. Isso, e mais os assaltos em condomínios, me obrigam a perguntar: o que polícia e governo fazem para acabar com o crime na região e na cidade? Embora o atendimento do 190 seja sempre cortês, por que não recebemos um n.º de ocorrência? Essas informações entram nas estatísticas de criminalidade? O que espanta é a passividade com que a população aceita criminosos confessos serem soltos, a pretexto de que ?a lei permite?. Sabendo-se impunes, bandidos matam pessoas como moscas. Há muito tempo já deveriam ter proibido o porte de arma. Graças à covardia e à mediocridade dos homens públicos do País, e de um Judiciário cínico, a vida do ser humano não vale mais que a de um animal silvestre. E o Ibama é mais eficiente que tais órgãos e pessoas, embora tão cínico quanto. JOSÉ F. SOUZA Morumbi A Polícia Militar responde: "O policiamento no Morumbi é feito pela 1.ª Cia. 16.º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano, com radiopatrulhamento, ronda escolar, força tática e policiamento a pé. Acompanhamos os indicadores criminais e de ocorrências na região e não medimos esforços para reduzir a incidência de crimes. De janeiro a julho, prendemos 72 pessoas na área em flagrante, e apreendemos 29 armas de fogo. A comunidade pode nos ajudar denunciando pelo tel. 190, pelo Disque PM (0800) 0555-190, pelo Fale Conosco PM (www.polmil.sp.gov.br) ou pelo Disque Denúncia 181. As informações nos ajudam a fazer nosso planejamento operacional." A Rua Taguá, entre as Ruas Fagundes e São Joaquim, virou um ponto de venda e consumo de drogas, até mesmo durante o dia. Em frente à entrada do estacionamento do prédio novo da Faculdade de Direito das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) há três bares que são pontos de venda e de consumo de drogas. Além do mais, o trânsito é prejudicado pelos freqüentadores desses bares. RICARDO P. SILVA Capital A Polícia Militar responde: "A 4.ª Cia. do 11.º Batalhão de PM Metr. policia a região com radiopatrulhamento, ronda escolar e policiamento comunitário, com bases comunitárias móvel e fixa, além do apoio da Força Tática e policiamento com bicicletas. De janeiro a junho recuperamos 26 carros na região, prendemos 117 pessoas em flagrante, apreendemos 8 armas de fogo e 25 kg de entorpecentes. Intensificaremos o policiamento no local, junto com a polícia civil, para coibir o tráfico de entorpecentes na região." N. da E.: nada nos foi dito a propósito do local especificado pelo leitor.

O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2024 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.