Pires convoca reunião e Anac aponta overbooking da TAM

O ministro da Defesa, Waldir Pires, convocou para às 15 horas desta quarta-feira, 27, uma reunião com representantes do setor aéreo para discutir medidas que possam evitar novos transtornos nos aeroportos durante o feriado de réveillon, no próximo fim de semana. Na terça-feira, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) deu início às investigações para apurar se houve prática de overbooking (venda de passagens em número superior à lotação das aeronaves) das empresas aéreas.As primeiras informações das investigações dão conta de que houve erro de gestão da TAM, que teria operado no limite e vendido mais passagens do que o número de assentos nas aeronaves, segundo o jornal Folha de S.Paulo . Porém, os números ainda não foram divulgados e estariam sendo levantados.A TAM foi considerada responsável pelos atrasos durante o feriado do Natal, desde quarta-feira, 20, quando um efeito cascata por conta da manutenção não programada de seis aeronaves provocou filas nos guichês de check-in e atrasos nos embarques e desembarques nos principais aeroportos do País. A Anac chegou a impedir que a TAM vendesse passagens entre os dias 22 e 26 de dezembro, porém, as vendas foram retomadas na terça-feira. O Estado apurou que a as investigações da Anac não devem esclarecer apenas se houve ou não prática de overbooking. A agência também deve fazer um diagnóstico mais abrangente sobre o colapso nas operações da empresa. A TAM alegou que os problemas foram desde a pane no sistema de comunicação com a Infraero, no Aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro, às condições meteorológicas no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, dificultaram pousos e decolagens, causando atrasos.Devem participar do encontro desta quarta-feira, no gabinete do ministro, em Brasília, representantes da Anac, da Aeronáutica, da Empresa Brasileira de infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), e de companhias aéreas e de setores do turismo. As autoridades buscam saber o que causou os atrasos do Natal e evitar que novos transtornos sejam enfrentados no réveillon.AeroportosNa manhã desta quarta-feira, os principais aeroportos do País tinham situação tranqüila. De acordo com a Infraero, o movimento era acima do normal no Aeroporto de Congonhas e no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos. Porém, os passageiros não enfrentavam grandes problemas com atrasos e cancelamentos de vôos.No Rio de Janeiro, o Aeroporto Internacional Tom Jobim/Galeão, que não tinha atrasos, bagagens que foram extraviadas nos últimos dias continuavam perdidas nos saguões dos terminais. No Aeroporto Santos Dumont, o movimento era tranqüilo, apesar do susto da tarde de terça-feira, quando um vendaval acabou virando dois aviões de pequeno porte.O Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, tinha fluxo maior de passageiros por conta do réveillon. Não foram registrados atrasos ou cancelamentos de vôos. Em Salvador, a movimentação também era considerada normal no Aeroporto Internacional Luís Eduardo Magalhães. Milhares de turistas estavam chegando na capital baiana para aproveitar o feriado. Mesmo com o caos nos aeroportos no Natal, o índice de ocupação dos hotéis na cidade foram entre 80% e 90%.No Aeroporto Afonso Pena, em Curitiba, a movimentação era tranqüila, sem registro de incidentes. No entanto, o fluxo de passageiros já começava por conta da aproximação do fim de semana. O mesmo quadro era verificado no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. Foram registrados apenas pequenos atrasos em alguns vôos que saíram na madrugada desta quarta-feira. Apesar disso, não houve tumultos.No Aeroporto Internacional de Confins, região metropolitana de Belo Horizonte, havia pequenas filas de passageiros para fazer o check-in. Mesmo assim, elas fluíam rapidamente, não gerando transtornos. Todos os vôos estavam praticamente dentro do horário programado, com pequenos atrasos ou adiantamentos de cinco a dez minutos.Esta matéria foi alterada às 9h15 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.