Pires recusa-se a dar entrevistas em formatura da Marinha

O ministro da Defesa, Waldir Pires, participou ontem da cerimônia de formatura dos aspirantes a oficiais da Escola Naval, na Ilha Vilegagnon, no Rio. Durante o evento, o ministro recusou-se a dar entrevistas, alegando, por meio de sua assessoria, que não aceitaria responder perguntas sobre o apagão aéreo. Curiosamente, o tema se fazia presente, com o barulho dos aviões que decolavam do Aeroporto Santos Dumont, que fica bem próximo à ilha. Durante toda a cerimônia, a imprensa foi mantida afastada do ministro. Pires fez um discurso restrito a palavras de incentivo aos jovens, que, a partir da formatura, ganham o título de guardas-marinha. Ele pediu que os militares ajudem o Brasil a organizar uma "sociedade justa e decente" para "conquistar a dignidade do País". O ministro saudou a presença de ex-ministros da Marinha, disse ter admiração pelo papel responsável desempenhado pela Força e afirmou que "o mar, patrimônio do mundo, é uma sedução". O ministro passou em revista os pelotões de alunos e presidiu a solenidade entre o comandante da Marinha, almirante-de-esquadra Roberto de Guimarães Carvalho, e o chefe do Estado Maior da Armada, almirante-de-esquadra Euclides Janot de Matos. Pires entregou uma medalha a Leandro Campos, chefe da classe de formandos. Depois de quatro anos na Escola Naval, os guardas-marinha farão uma viagem de instrução no navio-escola da Marinha para, na volta, assumirem o posto de segundos tenentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.