Piscinão de Ramos vai ser interditado

O piscinão de Ramos, tanque artificial construído na Praia de Ramos será esvaziado e ficará interditado por 10 dias. A decisão foi tomada ontem pelo secretário de Estado de Meio Ambiente, André Corrêa. O secretário negou que o índice de coliformes fecais tenha sido a causa da interdição. Ele alegou a necessidade de fazer reparos no lago, que teve a areia do fundo revolvida pelosfreqüentadores do local. ?O índice de coliformes fecais sempre esteve dentro dos padrões?, afirmou Corrêa.O piscinão de Ramos tem 27 mil metros quadrados de área e 30 mil litros de água. Um sistema faz o bombeamento da água da Baía de Guanabara, filtra e a joga no lago artificial. De acordo com Corrêa, o excesso de freqüentadores do local ? chega a 30 mil pessoas no fim de semana ? fez com que a areia do fundo do tanque fosse muito revolvida e antecipou a manutenção, prevista para ocorrer três meses depois dainauguração (15 de dezembro).A Secretaria de Estado de Meio Ambiente, divulgou que o índice de coliformes fecais registrado no último dia 13 foi de 23 coliformes por 100 mililitros. O Conselho Nacionalde Meio Ambiente considera aceitável até 1.000 coliformes por 100 mililitros.O secretário informou que aproveitará a interdição para reduzir a profundidade do tanque de dois metros para um metro e meio. A medida será tomada para reduzir o número de afogamentos no piscinão. O Corpo de Bombeiros chegou a fazer 84 resgates num fim de semana e uma menina de cinco anos morreu afogada no local.A data para a interdição não foi definida ? é provável que seja no dia 21. Os técnicos levarão dois dias para esvaziar completamente o tanque, quatro para fazer a limpeza dosresíduos sólidos ? bijuterias, embalagens plásticas, garrafas ? e despejar 200 caminhões de areia, e mais quatro para encher o lago e liberá-lo para o público.

Agencia Estado,

16 de janeiro de 2002 | 19h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.