Pista principal de Congonhas perde 300m para ter escape

Informação foi confirmada pelo ministro da Defesa, nesta quinta-feira; nova medida passa a valer no sábado

TÂNIA MONTEIRO, Agencia Estado

13 Setembro 2007 | 17h20

O ministro Nelson Jobim confirmou, nesta quinta-feira, que a pista principal do Aeroporto de Congonhas - que foi palco para o trágico acidente com um Airbus A320 da TAM, em que morreram 199 pessoas - vai perder 300 metros, para dar lugar a nova área de escape. Segundo o ministro, a pista será encurtada para que sejam construídos 150 metros de escape no início e outros 150 no final. "Estamos mostrando de forma objetiva que o princípio é o da segurança", disse Jobim.   Com a mudança, a pista principal do Aeroporto de Congonhas, que hoje tem 1.940 metros, passará a ter apenas 1.640 metros. Já a pista secundária, que hoje tem 1.435 metros, passará para 1.195 metros. O ministro informou que hoje a noite terá uma reunião com Infraero e Anac para acertar os detalhes da medida. Ele disse também que as restrições para dias de chuva serão mantidas para Congonhas.   O Ministério não informou que tipo de avião deixará de operar em Congonhas por conta da nova determinação do governo. "Isso dependerá da configuração da aeronave", disse o ministro. Configuração significa a quantidade de combustível e número de assentos e passageiros. Ele informou que a medida já foi conversada com as empresas aéreas que informaram, segundo ele, que não haverá problemas. Jobim disse que não houve protesto das empresas.   Com isso, afirmou o ministro, o governo está conduzindo o aeroporto para a forma que o deseja, que não é mais de funcionar como centro de distribuição de vôos (HUB) e nem de ponto de conexão. E acrescentou: "As empresas é que têm que se ajustar ao aeroporto e não o aeroporto se ajustar às empresas", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.