Pitbull é morto com 4 tiros de fuzil ao defender dono

Foram necessários quatro tiros de fuzil calibre 40 para deter o pitbull Coringa. O cão morreu defendendo seu dono, o adolescente G.R.F., de 17 anos, que estava sendo detido em sua casa por policiais civis sob a acusação de tráfico deentorpecente.Após ser atingido pelo último disparo, o cachorro deu meia-volta, subiu a escadaria do sobrado, na Rua Álvaro dos Santos, no Jardim Brasil, na zona norte de São Paulo, e foi morrer no quarto em que estava acostumado a dormir com o dono.Cinco investigadores da equipe E-Leste do Departamento de Homicídios e Proteção àPessoa (DHPP) foram à casa de G.R.F. nesta quarta-feira de manhã. Eram 6 horas quando elesbateram na porta. Tinham um mandado judicial para revistar a casa, pois investigavam aparticipação de um irmão do rapaz em um homicídio ocorrido no bairro.De imediato, perceberam alguém entrando no banheiro da casa. Era o adolescente. Os policiaisentraram no imóvel e mandaram-no sair. O investigador César Vide, que liderava os policiais, ainda pediu a ele que não tentasse se desfazer de nada. Não adiantou. O rapazdeu descarga no vaso sanitário, mas os policiais encontraram na caixa de passagem doesgoto da casa 310 trouxinhas de maconha e 250 gramas de cocaína.Quando abriu a porta do banheiro, segundo os policiais, o rapaz mandou que Coringa ? o nome era uma homenagem ao Corinthians ? os atacasse. O pitbull de dois anos de idade veio quieto na direção dos investigadores, sem latir. Um dos policiais percebeu que o cão ia atacá-los e disparou a primeira vez. Mas o cão não parou.Atirou novamente e uma terceira vez, ambas sem deter o passo do animal. Só o último disparoo fez parar. Por ter atiçado o cachorro contra os investigadores, o adolescente será acusado deresistência à prisão. Ele também responderá por tráfico de drogas.Os pais do rapaz, Francisco Gabriel Faustino, de 49 anos, e Tereza Rodrigues Faustino, de 45, também foram presos e autuados em flagrante sob as acusações de tráfico de drogas e deresistência à prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.