Pitta será intimado a depor na CPI da Dívida

O ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta (PTN) será intimado nesta terça-feira a explicar aos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigam a dívida do Município, de R$ 18 bilhões, quais foram os procedimentos adotados por ele na venda de títulos públicos para o pagamento de precatórios. Será a quarta vez que a comissão tentará intimar o ex-prefeito, que esteve nos últimos 90 dias em Miami. "O advogado dele (Antonio Claudio Mariz de Oliveira) se comprometeu a nos passar o endereço, mas vamos a todos os lugares atrás dele", disse a vereadora Ana Martins (PC do B), presidente da CPI da Dívida.O depoimento está marcado para os dias 16, quando depõe como ex-secretário de finanças da gestão Maluf, e 30, na condição de ex-prefeito. O ex-prefeito Paulo Maluf (PPB) também não foi encontrado para ser intimado. Já se fizeram três tentativas. O depoimento de Maluf está marcado para o dia 23. Em vista da dificuldade de encontrá-lo, Anna disse nesta segunda-feira que a comissão estará preparando "incertas" para pegá-lo de surpresa. Pitta voltou no domingo a São Paulo. Na bagagem, planos de trabalhar como consultor independente e a ambição de chegar à Câmara dos Deputados nas próximas eleições.Pessoas próximas a ele, como o ex-secretário de Comunicação Antenor Braido, dão como certa sua presença como testemunha na CPI. Nesta segunda-feira, o ex-prefeito passou o dia em reuniões para tratar de assuntos particulares. Os vereadores da CPI vão tentar rastrear o gasto de R$ 607 milhões destinados a pagar precatórios em 1996, durante a gestão de Maluf. O dinheiro, oriundo da venda de títulos, seguiu para o caixa único da Prefeitura.Prestou depoimento nesta segunda-feira o agente de fiscalização financeira do Tribunal de Contas do Município (TCM) Carlos Hugo Ybars.

Agencia Estado,

02 de abril de 2001 | 20h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.