PL e Prona formalizam fusão e criam o Partido da República

O PL e o Prona formalizaram nesta quinta-feira a fusão dos dois partidos com a criação do Partido da República, que terá a sigla PR. Com a fusão, o novo partido consegue superar a cláusula de barreira e manter o direito a tempo de TV e uma participação maior no fundo partidário. O novo partido terá 25 deputados e 3 senadores. A legenda passará a existir formalmente depois que o Tribunal Superior Eleitoral conceder o registro, o que deverá acontecer em cerca de um mês.O PR será presidido por Sérgio Tamer, que atualmente é do PL, mas a articulação política será conduzida pelo senador Alfredo Nascimento (AM), que exercerá o cargo de presidente de honra.O deputado Enéas Carneiro, que é do Prona, será um dos novos vice-presidentes do PR.O líder do PL na Câmara, deputado Luciano Castro (RR) afirmou que o acerto entre os dois partidos dará mais tempo de rádio e TV ao ex-Prona. Segundo ele, o partido, que elegeu dois deputados - Enéas Carneiro, de São Paulo, e Suely Santana da Silva, do Rio de Janeiro -, terá quase cinco vezes mais o tempo que tinha antes da entrada em vigor da cláusula de barreira.O PT do B, que elegeu apenas um deputado - Vinícius Carvalho, do Rio de Janeiro -, deverá ser incorporado ao novo partido até o fim do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.