Planalto: Estado brasileiro não se intimidará por criminosos

Nota divulgada no início da noite desta segunda-feira, 14, pela Presidência da República informa que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu, em reunião com o governador de São Paulo, Cláudio Lembo, que será reforçada a ação conjunta para impedir que o crime organizado continue a atemorizar os paulistas. "A sociedade pode estar certa de que o Estado brasileiro não se deixará intimidar pela ação dos criminosos", afirma a nota. E completa: "As forças da lei não recuarão até que a paz e a tranqüilidade sejam restabelecidas por completo. Essa é a obrigação constitucional do Estado e dela não pode e não vai abrir mão".A nota, assinada pelo porta-voz da Presidência, André Singer, destaca que o combate à criminalidade não deve ser objeto de disputa política e assegura que o presidente Lula, como chefe de estado e de governo, que tem responsabilidades no combate ao crime, "não entrará em discussões que visam tirar proveito eleitoral das graves circunstâncias pelas quais passa a população paulista".Veja a íntegra da nota:"Nota à ImprensaCom relação aos acontecimentos do último fim-de-semana em São Paulo, na área de segurança, o Presidente da República considera necessário reafirmar que:1.O governo federal tem buscado junto ao governo de São Paulo, a quem cabe zelar para que a sociedade daquele estado possa viver em segurança, desenvolver ação conjunta com vistas a impedir que o crime organizado continue a atemorizar os paulistas. Em reunião com o governador Cláudio Lembo, na última sexta-feira, ficou acertado que essa ação conjunta será reforçada a partir de agora e o Presidente está seguro de que esse é o único caminho para avançar na restauração da segurança pública em São Paulo.2.A sociedade pode estar certa de que o Estado brasileiro não se deixará intimidar pela ação dos criminosos. As forças da lei não recuarão até que a paz e a tranqüilidade sejam restabelecidas por completo. Essa é a obrigação constitucional do Estado e dela não pode e não vai abrir mão.3.O combate à criminalidade não deve ser objeto de disputa política. Como chefe de Estado e de Governo, que tem responsabilidades no combate ao crime, não entrará em discussões que visam tirar proveito eleitoral das graves circunstâncias pelas quais passa a população paulista.Brasília, 14 de agosto de 2006André SingerSecretário de Imprensa e Porta-voz da Presidência da República"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.