Planalto põe UPP em nova 'agenda casada' com Dilma

Lula vai lançar projeto, adotado pelo Ministério do Turismo, que usa as Unidades de Polícia Pacificadora, bandeira de campanha da petista

Felipe Werneck / RIO, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2010 | 00h00

Recém-incorporadas ao discurso da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) criadas pelo governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) foram adotadas pelo Ministério do Turismo. Com investimento inicial de R$ 184 mil do governo federal, será lançado dia 30, no Morro Dona Marta, com a presença confirmada do presidente Lula, o projeto-piloto Rio Top Tour.

O objetivo da iniciativa, anunciada no site do ministério, é "aproveitar o potencial turístico do local a partir da inclusão dos moradores".

O evento, em plena campanha eleitoral, estava marcado para o dia 13, como havia informado a coluna Palanque. O primeiro anúncio foi feito por Cabral, via Twitter. Ontem, no debate entre os candidatos a vice dos presidenciáveis, promovido pelo Estado, o companheiro de chapa da petista, Michel Temer (PMDB), citou o exemplo das UPPs, tema que virou quase um mantra na campanha.

O texto de divulgação do projeto - realizado em convênio com a Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer do Estado - é só elogios ao programa da Secretaria de Segurança do governo peemedebista: "Depois de um dia de praia, uma caminhada no calçadão e uma visita ao Cristo Redentor, nada mais agradável para o turista que conhecer mais de perto a cultura e tradição de um lugar tão rico como o Rio. Melhor ainda se esse contato se der em uma comunidade que hoje é símbolo de uma nova cidade, com seus serviços, produtos, segurança e hospitalidade prontos para atender todos os visitantes".

O release diz que o morro, "até pouco tempo marginalizado pela violência e pelo crime organizado, caminha para se tornar esse ponto turístico dentro da Cidade Maravilhosa".

Por e-mail, o ministério informou que o projeto, "executado pelo Estado, é viabilizado por meio de um convênio que contempla uma UPP, embora não estejam necessariamente vinculados". Ou seja, o Rio Top Tour não seria voltado exclusivamente para locais onde as UPPs estão consolidadas. Essa, contudo, não é a informação que aparece no release divulgado no dia 13, quando o ministro do Turismo, Luiz Barretto, visitou a favela.

"O objetivo é que o Rio Top Tour seja estendido para as demais comunidades que foram pacificadas com as UPPs. A segunda comunidade a receber o projeto será o Morro da Providência", diz o texto. Barretto afirmou na ocasião estar "certo de que teremos um modelo a ser implementado em outras comunidades da cidade que também precisam desta valorização".

Segundo o projeto, 50 moradores do Dona Marta - que tem mais de 5 mil moradores - receberão treinamento e haverá uma linha de crédito especial. Estão previstos estandes de informação no morro e em bairros próximos, placas e adesivos para promover pontos turísticos e a distribuição de folhetos em português e inglês. "O charme dos belos mirantes e das paisagens ganhou visibilidade em 1996, quando Michael Jackson gravou trechos de um videoclipe em uma laje no alto do morro", destaca o ministério. A contrapartida do governo do Rio é de R$ 46 mil.

A UPP do Dona Marta surgiu em 2008, inicialmente sem esse nome, em um morro que tinha tráfico forte desde os anos 80, localizado quase em frente a um Batalhão da PM. Sua ocupação ocorreu em seguida ao ápice das mortes em alegados confrontos no Estado e a erros da PM, como a morte do menino João Roberto, fuzilado por policiais que atiraram no carro em que viajava, confundido com um veículo roubado.

Início em 2008

Instalada em dezembro de 2008, a Unidade de Polícia Pacificadora do Morro Dona Marta, em Botafogo, na zona sul do Rio, foi a primeira das 12 UPPs que existem atualmente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.