Planalto precisou investir também contra aliados

O debate e as ações do governo para vencer as resistências à aprovação da Comissão da Verdade no Congresso não tinham apenas o DEM como alvo. Nos últimos dias foi preciso investir também contra a deputada Luiza Erundina, do PSB, e praticamente sepultar a possibilidade de uma revisão da Lei da Anistia pelo Congresso.

ROLDÃO ARRUDA, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2011 | 03h07

Na semana passada, o PT aliou-se a setores conservadores da Câmara para impedir mais uma vez a votação, na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional de um projeto de lei, de autoria da ex-prefeita paulistana, que propõe a reinterpretação da Lei da Anistia, de 1979. De acordo com o projeto, apoiado pelo PSOL, a lei deixaria de considerar anistiados os agentes de Estado que praticaram tortura e outras violações de direitos humanos no período da ditadura. Ela só teria validade para os perseguidos.

Ao justificar a atitude do partido, o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) alegou que o tema da revisão merece uma discussão mais prolongada porque divide até a esquerda.

Mais adiante insinuou que a intenção de Erundina e do PSOL com a discussão era causar constrangimentos à presidente Dilma Rousseff na semana de sua visita à ONU.

Para entender o que há por trás disso, é preciso lembrar que o projeto da Comissão da Verdade aprovado baseia-se integralmente na interpretação em vigor da Lei da Anistia - que considera beneficiados tanto perseguidos quanto perseguidores. Por esse viés, a comissão não poderá - sob hipótese alguma - punir os acusados de crimes contra direitos humanos, uma vez que foram anistiados. Foi essa a condição negociada pelo ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim, com as Forças Armadas, para vencer as resistências internas à comissão.

Se apoiasse a proposta da ex-prefeita, o PT estaria negando o texto do projeto que Dilma desejava ver aprovado no Congresso antes de ira à ONU. A avaliação é que caso o projeto seja aprovado no Senado, fica praticamente impossibilitada a reabertura da discussão sobre a Lei da Anistia. Erundina e o PSOL tentaram durante semanas por a discussão do projeto de revisão da lei na frente da votação da comissão. Não conseguiram.

A resistência do DEM foi no sentido oposto. A preocupação de seus parlamentares era incluir - no projeto da comissão - dispositivos que impeçam qualquer tipo de atitude de caráter punitivo. Em outras palavras, garantir, o cumprimento do que dispõe a atual interpretação da Lei da Anistia, referendada em 2010 por decisão Supremo Tribunal Federal (STF).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.