Planalto promete liberar este mês R$ 1 bi para emendas

Em reunião com Ideli, aliados cobram, para os municípios, recursos sem os quais não comandarão suas bases no Congresso

Denise Madueño / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

03 Agosto 2011 | 00h00

O governo deve começar a liberar cerca de R$ 1 bilhão para as emendas parlamentares do Orçamento de 2011 neste mês, segundo informações de líderes dos partidos da base na Câmara. Eles tiveram almoço com a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, e cobraram o pagamento da promessa de que no segundo semestre o dinheiro das emendas seria liberado.

No encontro com a ministra, a primeira na volta do recesso, mais uma vez os aliados não perderam tempo e, assim que puderam falar, cobraram uma solução para o pagamento dos recursos destinados a obras nos municípios. O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), disse que não foi estabelecido compromisso com prazos.

Cobrança. O líder do PP, deputado Nelson Meurer (PR), afirmou que a liberação das emendas é essencial para que os líderes tenham condição de comandar a base na Casa. Além do dinheiro das emendas do Orçamento deste ano, os líderes cobram o pagamento dos convênios inscritos no chamado restos a pagar, referentes a orçamentos de anos anteriores, que totalizam cerca de R$ 4,5 bilhões. O prazo para a liberação desses recursos termina no dia 30 de setembro.

"Sem essa atitude clara do governo a esses pontos de interesse parlamentar nas vésperas de eleição municipal vai ser complicado orientar a base para os objetivos que o governo pretende atingir neste semestre", disse Meurer. O líder do PC do B, deputado Osmar Júnior (PI), afirmou ser necessário um planejamento para não permanecer o tensionamento com os aliados.

"O governo vai ter de estabelecer com a base o que vai ser executado no Orçamento. Não podemos ficar na queda de braço", disse Osmar Júnior. "O que se quer é uma programação global. O principal é o cronograma (de liberação das emendas)", completou o líder do PC do B.

Sem prazo. O líder governista Cândido Vaccarezza não se comprometeu com datas. "Estamos conversando amigavelmente e, neste quadro, estamos fazendo a discussão do cronograma de emendas", disse, ressaltando que não há prazo fixado para o pagamento das emendas.

A verba de R$ 1 bilhão destinada às emendas de 2011 foi conseguida a fórceps pela ministra Ideli Salvatti. Seu companheiro Guido Mantega (ministro da Fazenda) fez de tudo para impedir que o governo mexesse no dinheiro.

Mantega defendia a tese de que emendas deste ano só começassem a ser pagas depois de outubro. Argumentava que, do contrário, pode haver desequilíbrio no ajuste fiscal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.