Plano contra lavagem de dinheiro deve ter efeito rápido

O plano contra a lavagem de dinheiro deve começar a dar seus primeiros resultados em três meses. A avaliação é do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, que anunciou nesta terça-feira, junto com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, quatro das 12 medidas que o governo vai tomar para este setor. As principais são a criação de um departamento de recuperação de ativos financeiros e a obrigação das instituições financeiras de informar ao Banco Central depósitos e saques acima de R$ 100 mil. Segundo Meirelles, hoje no País são feitas em torno de mil operações diárias que envolvem esse volume de dinheiro. Por isso, as medidas do governo vão atingir apenas quem movimenta altas somas. "São 120 milhões de correntistas, mas não afetará o dia-a-dia do cidadão comum", afirmou o presidente do BC, que anunciou também a criação do Cadastro-Geral de Correntistas, que acabará com o processo demorado de coleta de informações sobre pessoas suspeitas, tornando o processo demorado, caro e ineficiente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.